Por que buscar a equidade de gênero nas empresas? Entenda!

Compartilhe:

Apesar de ser um assunto de extrema importância na sociedade, a equidade de gênero nas empresas ainda gera polêmicas entre as corporações. Enquanto muitas afirmam buscar a igualdade sem apresentar resultados reais, outras sequer se preocupam em oferecer as mesmas oportunidades. 

Um número que demonstra claramente esse problema são os salários: em 2019 as mulheres ainda recebiam 77% do salário dos homens nos mesmos cargos, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Então, como garantir a equidade de gênero nas empresas? É o que esse texto irá debater, acompanhe!

Equidade de gênero nas empresas: mito ou meta?

A equidade de gênero nas empresas é a garantia de um tratamento justo entre homens e mulheres no espaço corporativo, respeitando suas diferentes necessidades. Mas apesar da teoria ser simples, a prática é um pouco mais complexa. 

Como já afirmamos acima, a diferença salarial entre sexos era de 33% em 2019. Essa disparidade, inclusive, coloca o Brasil na 130ª posição no ranking de igualdade salarial entre gêneros.

Mas vale ressaltar que a pandemia também afetou negativamente a equidade de gênero nas empresas, atrasando a igualdade para 136 anos de acordo com um relatório do Fórum Econômico Mundial.

Isso porque o assunto vai além do dinheiro, já que as mulheres também enfrentam:

  • Jornada dupla ou tripla de trabalho, com os cuidados domésticos, de crianças e idosos;
  • Resistência de corporações em contratar mães;
  • Dificuldade no acesso às posições de gestão e liderança;

E ainda há mais um importante fator que pode afetar a carreira das mulheres: o assédio físico e moral. De acordo com o Instituto Locomotiva, 40% das mulheres já relataram xingamentos ou gritos em ambiente de trabalho, enquanto apenas 13% dos homens já viveram situações parecidas.

Leia também: Mulheres na Agilidade

Não podemos nos esquecer das minorias

Além de abordarmos as questões sexistas no ambiente de trabalho, não podemos esquecer que esse não é o único problema das corporações: raça, orientação sexual e identidade de gênero são outras infelizes causas de discriminação.

Uma pesquisa do Center for Talent Innovation, por exemplo, não só constatou que 33% das empresas existentes no Brasil não contratariam pessoas LGBTQIA+ para cargos de chefia, como revelou que 41% dos funcionários LGBTQIA+ afirmam já terem sofrido algum tipo de discriminação em razão de sua orientação sexual ou identidade de gênero no ambiente de trabalho.

Vale a pena conferir: K21 + plural: o respeito integral ao nome social

Quando olhamos para equidade racial, a realidade não é tão diferente. O Observatório da Diversidade e da Igualdade de Oportunidades no Trabalho revelou as diferenças de remuneração relacionada a sexo e raça no setor formal em 2017:

  • Média salarial de homens brancos: R$ 3,3 mil;
  • Média salarial de mulheres brancas: R$ 2,6 mil;
  • Média salarial de homens negros: R$ 2,3 mil;
  • Média salarial de mulheres negras: R$ 1,8 mil.

Mas a diferença, mais uma vez, não está apenas nos salários: apenas 29% dos cargos de direção avaliados pelo Observatório eram ocupados por pessoas negras.

YouTube video

Como garantir a equidade de gênero nas empresas?

A busca por uma sociedade mais igualitária precisa passar pela cultura organizacional das empresas. Grandes organizações têm tomado atitudes para garantir a equidade de gênero, como a mineradora Vale. 

Após fazer um processo seletivo de trainees às cegas (ou seja, sem identificar nome, gênero, idade e faculdade dos candidatos) e tirar a exigência de inglês avançado, o programa de 2021 foi composto por 68% de mulheres, boa parte delas negras.

Usar nomenclaturas neutras, como amigues ou todxs, também pode tornar o processo mais convidativo e mostrar que a empresa está se empenhando em criar um ambiente seguro. 

É claro que os salários também devem ser reavaliados para serem justos para todos. Uma opção para extinguir a diferença salarial é a criação de uma tabela com os valores disponíveis para cada vaga. Assim, todos receberão o mesmo salário, independente de quem são. 

Na K21, a equidade de gênero é uma meta em constante evolução. Em janeiro de 2021, a maioria dos nossos funcionários (52,2%) se identificavam como homem cis, seguidos de mulheres cis (39,1%). Entretanto, ao final do mesmo ano, os números se inverteram, e as mulheres cis se tornaram maioria (53,4% contra 41,4%).

Nós trabalhamos diariamente para sermos um ambiente seguro para todas as pessoas, em todas as suas individualidades e diferenças. Queremos uma equipe plural, diversa e que se sinta plenamente à vontade para ser o que se é. 

E esse desejo deve ser de todos, especialmente das lideranças. Caso sua empresa precise de ajuda para se transformar em um ambiente acolhedor e igualmente desafiador para todos, nosso Certified Exponential Leader pode lhe ajudar.

Para ajudar lideranças a dominarem seus desafios reais, unimos o melhor do treinamento ao melhor da mentoria em um programa que lhe ajudará a ganhar 10 anos de experiência em apenas 6 meses. Acesse nosso site e conheça o Certified Exponential Leader!

Sobre o autor(a)

Função não encontrada

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…