Os 3 Níveis das Métricas

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre os Três Níveis das Métricas. Elas servem para ajudar gestores, Product Owners, Product Managers e times a compreender e analisar os resultados de seu produto no curto, médio e longo prazo. 

Os 3 Níveis das Métricas

Os 3 Níveis das métricas são: Diretas, Indiretas e Específicas.

Os 3 Níveis das Métricas. Uma pirâmide. No topo as Específicas, no meio as Indiretas e na base as Diretas
Os 3 Níveis da Métrica. (Marcos Garrido, 2024)

Para compreender essas métricas, vamos utilizar como exemplo uma livraria online. Imagine a loja de sua preferência,  ela será apenas um guia para facilitar a compreensão. 

Métricas Diretas 

As métricas diretas são aquelas que fornecem informações claras e diretas sobre o desempenho de um indicador-chave, mais fáceis de coletar, gerando sentimentos e decisões mais imediatas. Nem tudo que é fácil e rápido gera valor de verdade. Métricas diretas não explicam todo o cenário à nossa volta, não trazem os porquês e frequentemente nos levam a tomar decisões erradas. Afinal, segundo H. L. Mencken:

“Para todo problema complexo, existe sempre uma solução simples, elegante e completamente errada.”
H. L. Mencken (1880 – 1956)

Na nossa Livraria Online, as métricas diretas seriam: quantidade de livros vendidos, receita de livros vendidos, custo do livro adquirido, custos operacionais etc.

Métricas Indiretas

Já as métricas indiretas oferecem insights para um olhar de médio prazo, ao não focar diretamente no objetivo que tentamos alcançar, porém provendo informações relevantes para ele. A partir delas podemos entender como os diferentes elementos de um sistema interagem, como analisamos com ferramentas como system thinking. Métricas indiretas são mais ricas em contexto, mas são genéricas o suficiente para nos levar a decisões equivocadas a partir de análises simplórias de dados que possuem mais complexidade do que parece.

No nosso exemplo de livraria online, exemplos de métricas indiretas são: Taxa de Conversão ( Quantidade de pessoas que compraram um livro ÷ Quantidade de pessoas que acessaram a livraria), Taxa de Recompra (quantidade de clientes que voltaram a comprar livros em um período ÷ quantidade de clientes), Índice de Devoluções (quantidade de livros devolvidos ÷ quantidade de livros vendidos).

Métricas Específicas

Por fim, temos as métricas específicas, que são focadas e nascem da relação entre métricas indiretas com uma pitada de probabilidade, gerando insights extremamente valiosos para o negócio como um todo. É aqui que mora o “ouro” desse processo decisório; é aqui que vamos encontrar insights de fato relevantes sobre nosso negócio, criar novas hipóteses para testar e retroalimentar todo o ciclo da nossa cadeia de valor. Cada negócio é único e métricas específicas nos permitem enxergar o universo de relações entre os indicadores, provendo um olhar único para a tomada de decisão. 

Utilizando o exemplo da livraria, vamos conectar algumas métricas através de hipóteses. Por exemplo:

  •  fato das pessoas comprarem mais (Taxa de Recompensas) aumenta o faturamento? Ou as pessoas estão comprando livros mais baratos a cada recompra? 
  • O aumento do tráfego no site está aumentando a receita com venda de livros? 
  • A satisfação do cliente (NPS) impulsiona a recompra? 
  • A eficácia das recomendações de livros similares (taxa de cliques em recomendações) impacta o valor médio do pedido?

Conclusão 

Assim, compreender e analisar esses diferentes níveis de métricas é essencial para uma análise de dados eficaz e para a geração de insights relevantes que impulsionam a tomada de decisão estratégica para o seu produto ou negócio. E não basta apenas dominá-las, é preciso vender seus resultados e os insights gerados pelas métricas, conectando os dados a uma narrativa significativa e impactante.

Sobre o autor(a)

Co-fundador, Consultor na Nower e Trainer na K21

Marcos Garrido, co-fundador da K21, é Certified Enterprise Coach (CEC), Certified Scrum Trainer (CST) e Certified Team Coach (CTC), fazendo parte do seleto grupo no mundo que possuem as três certificações mais importantes da Scrum Alliance. Com grande atuação internacional, possui larga experiência em Transformação Digital e Gestão de Produtos.

Artigos relacionados

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…

Uma das principais habilidades que desenvolvemos enquanto consultores é a de fazer boas perguntas. Uma vez que as pessoas percebem o poder que tem uma boa pergunta, colocada ali na hora certa e que muda o destino de uma reunião,…

Há cerca de uma semana um estudo com um título bombástico tomou conta da web: “268% dos projetos que passaram a utilizar Métodos Ágeis pioraram e 56% passaram a falhar”, dizia o título. E ao ler o conteúdo, pareceu que…