Agilistas de Sucesso: Carlos Dutra e Flight Levels na Rede Gazeta

Em alguns anos, já treinamos milhares de profissionais do mercado. Nossos alunos são protagonistas da transformação ágil em organizações pelo mundo, e isso muito nos orgulha!

Queremos contar essas histórias, de profissionais que participam de nossas formações e levam todo o conhecimento aprendido para espalhar a cultura ágil em empresas de diversos setores e tamanhos.

No primeiro post da série “Agilistas de Sucesso”, conversamos com o Carlos Dutra, que revela os desafios na carreira e conta um case com a agilidade através do Flight Levels.

Você pode assistir à entrevista na íntegra pelo YouTube ou ler o artigo aqui embaixo.

YouTube video

O Agilista Carlos Dutra

Carlos Dutra possui ampla experiência na área de Gestão de Tecnologia e Desenvolvimento de Software.  Dos 17 anos de carreira, passou os últimos seis trabalhando com os métodos ágeis. Hoje, desenvolve o papel de Scrum Master na Rede Gazeta, sendo o responsável por projetos de desenvolvimento digitais.

Tudo começou com o Scrum…

Antes de conhecer a agilidade, Carlos conta que trabalhava com Gestão Tradicional de Projetos até ir trabalhar em uma software house que utilizava a agilidade.

Ele conta que foi nesse momento que encontrou nos métodos ágeis exatamente o que, segundo sua experiência, faltava na gestão tradicional:

“Gestão de projetos para mim sempre foi algo frustrante, porque você tem todo aquele planejamento, aquele cronograma que você faz previamente, antes de iniciar a implementação ou antes de iniciar qualquer execução, e no momento que você inicia e executa, já começa com um realizado diferente do planejado. Então, esse foi um grande divisor de águas para eu poder testar outros modelos, porque a minha frustração veio daí: tudo que eu planejava, eu não conseguia executar diretamente, corretamente, e entregar dentro do prazo, e o cliente sempre ficava insatisfeito.”

Dentre os métodos ágeis, ele relembra que iniciou pelo Scrum. Como a virada de chave da atuação de Gerente de Projetos para Agilista, ele destaca:

“…conseguir atender a necessidade do cliente, conseguir entender o cliente e entender também que as coisas mudam muito rapidamente, e isso é difícil, um gerente de projetos ter essa visualização de que as coisas mudam muito rápido em um espaço muito curto de tempo.”

De gestor tradicional a agilista

Carlos conta que o maior desafio que enfrentou para trabalhar com a agilidade foi a mudança do modelo de pensamento. Enquanto no gerenciamento de projetos o ciclo de vida é bem definido, isso não acontece na agilidade, que não começa pelo planejamento, mas pelo entendimento do problema.

“…nesse momento, precisava voltar, dar um passo atrás, esse era o grande desafio de um gerente de projetos para um agilista, para um profissional de agilidade. Então, é começar de trás para frente, começar entendendo o problema do cliente, antes mesmo de propor ideias, propor soluções.”

Agilidade na Rede Gazeta

Em 2016, Carlos recebeu uma proposta de trabalho desafiadora: desenvolver a agilidade em um departamento na Rede Gazeta. De acordo com ele, a empresa familiar sentiu a necessidade de atender a ânsia de mudança do mercado a curto prazo.

“Criou-se um departamento, que ainda não se sabia que era um departamento de agilidade, um departamento voltado para as premissas e os métodos de agilidade, mas que fosse um departamento mais rápido, um departamento de tecnologia e desenvolvimento que conseguisse responder mais rapidamente à organização. E aí foi a minha contratação no momento, em 2016. Nesse período, eu já estava ali há aproximadamente uns seis ou oito meses, lendo sobre agilidade, participando, acompanhando algumas comunidades ágeis, e eu sempre falo que fui muito sortudo, porque eu tive a oportunidade de construir uma estrutura voltada para a agilidade do começo.”

Flight Levels: a decolagem da carreira e da empresa

Para promover o desenvolvimento do negócio em diferentes níveis da organização, Carlos precisava escalar a agilidade para além do operacional, mas ainda não tinha clareza sobre como chegar aos níveis de coordenação e estratégico. Foi então que conheceu o Flight Levels pela K21 e realizou nosso primeiro treinamento do modelo, em janeiro de 2020.

“O grande desafio ali é lidar com as dependências. O Flight Levels mostra muito bem isso, você lidar com a dependência entre os times, trabalhar na agilidade do fluxo… E quando eu saí do curso e olhei para dentro da organização, eu entendi que era o aprendizado que a gente precisava ter de lidar com as dependências. Era isso que precisava. Nós tínhamos times ultramente dedicados, porém não havia ali um sincronismo.”

A estratégia utilizada por Carlos para usar o Flight Levels começou com um olhar para dentro da organização, expandindo a agilidade de baixo para cima.

“A gente começou ali no nível operacional, e a partir do nível operacional, a gente foi cultivando e disseminando o conhecimento para o nível estratégico, passamos pelo nível de coordenação e estamos chegando, pode-se dizer, no nível estratégico. Então, é um caminho assim com bastante colaboração, porque você implementa a agilidade baseado nos resultados obtidos, nos resultados do que você está ali implementando, é bastante empírico mesmo, usando esta estratégia de escalar a agilidade do nível operacional até o nível estratégico.”

Além de melhorar a integração entre os times envolvidos, a organização entendeu que precisava integrar outros departamentos ao projeto ágil, como o departamento de métricas, os usuários-chave dos produtos, o time de inteligência que faz propostas e o time comercial que vende os produtos.

“…a gente ampliou o nosso downstream e com isso a gente aumentou a integração entre os times e, obviamente, ganhamos agilidade. Então, no nível 2 do Flight Levels, que é o nível de coordenação, a gente elevou bastante o nível de eficiência deste time, desta coleção de times, um conjunto de times na verdade, eram seis times aproximadamente que estavam ali no nível de coordenação.”

Melhoria contínua na carreira

A jornada de desenvolvimento da carreira do Carlos Dutra como agilista conta com a K21 desde o início. Ele se autointitula “seguidor fiel da K21”, por acompanhar artigos do blog e publicações em redes sociais, e por participar das nossas comunidades.

Ao longo da sua carreira e busca por desenvolvimento como agilista, já realizou cinco treinamentos conosco, na seguinte ordem:

Sobre o treinamento de Métricas Ágeis, ele comenta:

Avelino é o nosso instrutor lá, sigo ele até hoje e super recomendo os ensinamentos dele para toda a galera que quer trabalhar com a agilidade. Dentro da companhia, eu tive um grande avanço no uso de métricas, metrificando eficiência, eficácia, dividindo métricas de sucesso e métricas de entrega, voltadas para o time e não para o indivíduo, e a partir daí eu consegui também entender muitos dos problemas que existiam dentro da companhia olhando para dados. Então, hoje a nossa companhia é orientada a dados. As tomadas de decisões são orientadas aos resultados obtidos nas métricas.”

Para todos os agilistas

Aos profissionais que trabalham ou querem trabalhar com a agilidade, Carlos indica:

Compartilhe sua história como aluno K21

Você já fez alguma formação com a K21 e tem um case bacana para compartilhar, de como você aplicou na sua organização o que aprendeu no treinamento? Envie sua história para [email protected] e vamos conversar! Quem sabe a próxima história desta série não pode ser a sua?

Sobre o autor(a)

Evolução Contínua de Pessoas e Organizações

Transformar pessoas e organizações ao redor do mundo é o que nos move. Mais do que ferramentas e métodos, promovemos uma nova cultura, onde negócios e pessoas entregam valor continuamente, experimentando, aprendendo e melhorando diariamente.

Artigos relacionados

Uma das principais habilidades que desenvolvemos enquanto consultores é a de fazer boas perguntas. Uma vez que as pessoas percebem o poder que tem uma boa pergunta, colocada ali na hora certa e que muda o destino de uma reunião,…

Há cerca de uma semana um estudo com um título bombástico tomou conta da web: “268% dos projetos que passaram a utilizar Métodos Ágeis pioraram e 56% passaram a falhar”, dizia o título. E ao ler o conteúdo, pareceu que…

A polêmica da semana é sobre o suspeitíssimo “estudo” afirmando que projetos com Agilidade teriam 268% mais chance de falhar.  Muito rapidamente os cavaleiros do apocalipse já se apropriaram do conteúdo para poder dizer que já sabiam! Claro que esse…

Oi time! Vamos conversar rapidinho sobre como podemos fazer nossas reuniões renderem mais sem deixar ninguém na corda bamba com a agenda lotada. Aqui vão algumas dicas pra gente manter o equilíbrio: A) Marcando as reuniões: 1) Checagem de Disponibilidade:…