Resultados com Fit for Purpose: entrevista com Celso Rosano, Gerente de Rede na Veloe

Compartilhe:

Depois de mais de um ano de ter feito o treinamento Fit for Purpose na K21, Celso Rosano Silva, Gerente de Implantação e Sustentação de Rede da Veloe, garante que foi um dos treinamentos que fez que mais o ajudaram a ter uma visão mais ampla do processo. Ele conta que os resultados conquistados pelo seu time ativaram o customer centricity e melhoraram a experiência do usuário.

Ouça este artigo!

O objetivo do framework Fit for Purpose (F4P) é auxiliar os colaboradores a agirem de acordo com uma estratégia orientada à real eficácia do negócio a partir da descoberta do propósito do cliente, tirando as empresas do lugar de incertezas e achismos.

Celso Rosano Silva, Gerente de Implantação e Sustentação de Rede da Veloe
Celso Rosano Silva, Gerente de Implantação e Sustentação de Rede da Veloe (Fonte: LinkedIn)

Segundo Celso, seu maior desafio era o tempo investido no processo de manutenção do serviço, visto que a empresa possui clientes no país inteiro. O processo era constantemente travado, pois existiam algumas dependências, como fila de desenvolvimento, sistemas, processos, o que aumentava o tempo de espera para a solução desses problemas. 

Após concluir o treinamento da K21, Celso passou a utilizar o F4P no mesmo ano em sua equipe de implantação e sustentação de rede. Um dos comportamentos da área que conseguiu mudar foi a forma de resolver os problemas que surgiam. 

Mudança de Cultura

Segundo o gerente, o Fit for Purpose caiu como uma luva na implantação de novos clientes. Pois, antes, a solução era sempre atacar a “raiz do problema”.

“A gente tem muito isso intrínseco na cabeça, e acabava fazendo dessa forma, mas às vezes as coisas não andavam. É porque o tempo que você demora para trazer a solução depende de como está a fila de desenvolvimento.”

Celso Rosano Silva, Gerente de Implantação e Sustentação de Rede da Veloe

Ele explica que, para concretizar a mudança, o pensamento da equipe passou a ser:

“O que podemos fazer para resolver agora? Não vamos falar com a empresa fornecedora do serviço antes, vamos resolver. E, se couber este movimento de mexer desde a entrega do desenvolvimento, fazemos. Se não, usamos o F4P no delivery e resolvemos nas entregas.”

Celso Rosano Silva, Gerente de Implantação e Sustentação de Rede da Veloe

O Fit for Purpose ainda não é utilizado na empresa inteira, mas, no que depender do Celso, isso não vai levar muito tempo para acontecer. 

“Tudo o que é nosso, eu mudo, mas a ideia é que o time mude. O que tenho feito a cada dia mais é deixar eles fazerem isso, eles tomarem a decisão porque eles são o delivery também. Eles mesmos já fazem, mudam, alteram. Às vezes comunicam, outras não, mas tudo bem porque eles estão empoderados para fazer isso e sabem o que precisa fazer e como precisa fazer. O resultado final é o que está importando agora, é o negócio. Se o objetivo é implantar no prazo combinado com o shopping, ou é estar operando 24h por dia, no caso de um aeroporto… Está muito nas mãos deles, eles estão empoderados e empoderam também os times deles e fornecedores. Hoje até um terceiro, um prestador de serviço, está sendo empoderado para resolver.”

Celso Rosano Silva, Gerente de Implantação e Sustentação de Rede da Veloe

Resultados com o Fit for Purpose

O principal desafio de Celso foi solucionado quando passaram a agir no delivery, quebrando alguns paradigmas processuais para encurtar o caminho. Com isso, ele precisaria mexer no restante do processo só quando a solução aplicada na ponta já estivesse testada e validada.

O resultado foi o melhor possível: 

  • Ganho de tempo grande na resolução de alguns problemas;
  • Cumprimento de prazos de entrega dos projetos;
  • Ganho em todo o processo: resolve rápido, dá uma solução que muitas vezes é definitiva, quebra o paradigma de mexer em todo o processo.

Para Celso, dependendo do processo, o tempo de execução deixou de ser de 10 dias e passou a ser entre três e quatro.

“O ganho de tempo em algumas situações para nós e para o cliente final. […] Porque, dependendo do que eu estiver atuando, eu estou impactando um shopping, um estacionamento. […] Além disso, eu gasto muito menos energia do time, e o time começa a fazer outras coisas, a atuar em outras frentes que a gente precisa. Começa a focar, reduz o backlog, gasta energia em coisas mais importantes.”

Celso Rosano Silva, Gerente de Implantação e Sustentação de Rede da Veloe

Customer Experience

O gerente entendeu que o processo antigo afetava a experiência do usuário, já que a demora no atendimento das demandas impactava diretamente no funcionamento de shoppings e aeroportos, deixando pistas de estacionamentos paradas.

“Você imagina para eu mandar um leitor do Amazonas para Barueri, sendo que o meu fornecedor faz um reparo em Minas? […] Com essa redução de processo e trabalhando no delivery, eu consigo ter um leitor mais rápido na mão.”

Celso Rosano Silva, Gerente de Implantação e Sustentação de Rede da Veloe

Comprovado: foco no cliente gera resultados incríveis

Esta também foi a conclusão de outros profissionais e empresas que, como a Veloe, adaptaram suas estratégias, geraram customer centricity e alcançaram resultados reais e sólidos para o negócio.

Sobre o autor(a)

Função não encontrada

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…