O segredo do sucesso com OKRs

Compartilhe:

A definição e acompanhamento de objetivos e resultados chave de forma saudável é um grande desafio para as organizações. Isso acontece porque na maior parte das empresas a forma como a gestão de resultados é realizada já apresenta disfunções relacionadas com desafios organizacionais como o trabalho em silos, falta de clareza da estratégia, cultura de competição entre colaboradores e tantos outros fatores.

Ouça este artigo!

Em busca de ter uma melhor gestão de resultados, as empresas se deparam com os OKRs, mas enfrentam algumas armadilhas, pois a ferramenta sozinha, sem uma mudança de atitude e cultural, não vai trazer os maiores benefícios esperados.

O que precisa mudar, então?

Qual é o segredo do sucesso ao utilizar OKRs?

Nesse artigo, falaremos das principais premissas para o uso de OKRs e quais benefícios têm uma relação direta com elas.

Premissa #1

Governança é a parte mais importante do framework, é aquilo que jamais devemos abrir mão. Os OKRs devem ser acompanhados em ciclos curtos e frequentes porque dessa forma teremos maior facilidade para identificar problemas, gargalos e oportunidades, e, consequentemente maior capacidade de adaptação e mudança de rota.

Premissa #2

É um framework de mudança cultural, não é auditoria ou compliance. Os OKRs não devem ser utilizados para auditar o trabalho de um indivíduo, para verificar se as pessoas estão trabalhando no que foi pedido ou qualquer dinâmica de reconhecimento individual que traga “pessoa tal contribuiu com X% desse resultado”.

Eles devem ser uma ferramenta que proporciona autonomia às equipes e aumenta a capacidade de inovação na organização. Para isso, é necessário entender que os OKRs não buscam certezas absolutas, e sim um caminho para experimentação e validação de hipóteses.

Premissa #3

Transparência e visibilidade amplas são necessárias para o bom funcionamento dos OKRs. Eles devem ser fáceis de acessar e de entender e todas as pessoas que devem contribuir para o seu atingimento precisam ter acesso aos dados e ao andamento pois dessa forma teremos a organização focada nos mesmos resultados e com clareza da estratégia.

Premissa #4

O maior benefício dos OKRs está em serem compartilhados. OKRs nos quais várias pessoas e equipes se mobilizam para buscar juntos as soluções que vão proporcionar seu atingimento são os que tendem ao maior sucesso.

Inclusive, nós da K21 no geral não recomendamos o uso de OKRs individuais nem mesmo de OKRs que só podem ser impactados por uma única área ou departamento, com raríssimas exceções, mas isso é assunto para um próximo post!

OKRs compartilhados são uma ferramenta poderosa para promover colaboração, inteligência coletiva, motivação e envolvimento das pessoas e com isso reduzir de silos e competitividade na organização.

Premissa #5

OKRs não devem ser vinculados à remuneração e bonificações. OKRs são uma ferramenta de comunicação e engajamento para gerar melhores resultados e atingir objetivos comuns, não foram criados para avaliação de desempenho, remuneração ou bônus.

Muitas empresas enfrentam o desafio de substituir metas por OKRs ou gerir a existências de ambas as ferramentas. Aqui contamos um pouco mais sobre como lidar com esse desafio caso você ainda não possa desvincular totalmente os OKRs de bonificações.

Premissa #6

OKRs não garantem uma estratégia de qualidade, eles fornecem um caminho para comunicar, operar e validar a estratégia. Mas uma boa estratégia é feita por pessoas que conhecem bem o mercado, os clientes e a empresa.

Ferramenta: avaliação de maturidade para escalar OKRs

Pensando nas necessidades da sua empresa, desenvolvemos uma ferramenta de avaliação rápida, composta por 4 perguntas para te ajudar a descobrir o que está travando o crescimento da sua organização e quais devem ser seus próximos passos para alavancar resultados com OKRs.

Ambientada no jogo de baralho, a cada resposta assinalada você receberá uma carta correspondente ao nível de maturidade da sua empresa dentro do universo dos OKRs, acompanhada de sugestões de ações em 4 pilares: Estratégia, Orientação a Dados, Cultura e Governança. Acesse gratuitamente a ferramenta!

Sobre o autor(a)

Função não encontrada

Apaixonada por conteúdo! Jornalista, especializada em Marketing de Conteúdo e encantada por UX Writing e Growth Marketing. Tem 12 anos de experiências em comunicação, storytelling e conteúdo consistente para marcas e produtos. É Content Strategist na K21.

Artigos relacionados

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…

Uma das principais habilidades que desenvolvemos enquanto consultores é a de fazer boas perguntas. Uma vez que as pessoas percebem o poder que tem uma boa pergunta, colocada ali na hora certa e que muda o destino de uma reunião,…