Product Backlog, planejamento contínuo e a analogia do horizonte

Este post não tem tags.

Compartilhe:

Imagine esse cenário: você está na rua, observando a cidade à sua frente. Construções, carros, pessoas e outros se distribuem desde você até o horizonte distante. Para descrever o que está vendo, que nível de detalhes você pode utilizar nessa descrição? Agora imagine o seu próximo projeto de desenvolvimento de software. Ao planejá-lo, desde seu início até, digamos, daqui a seis meses, que nível de detalhes você pode utilizar nesse plano?

A Analogia do Horizonte

Na cidade, ao olhar para o que está mais próximo de você, é possível descrever o que vê com um excelente nível de detalhes. Mas, à medida que olha para mais longe, os detalhes que pode utilizar nessa descrição vão gradualmente diminuindo. Se você então tentar descrever o que está mais longe com um alto nível de detalhes, ao caminhar em direção ao horizonte, verá que sua descrição não corresponde inteiramente à realidade. Na verdade, para quanto mais distante você estiver olhando, mais incorreta estará sua descrição se ela for detalhada.

Um planejamento tradicional geralmente busca descrever em detalhes o que será feito durante todo o projeto ou, ao menos, todo o trabalho até a próxima entrega, por exemplo. É muito comum ver esses planos descritos em gráficos de Gantt, que mostram tarefas pequeninas e alocação de “recursos” no tempo. Essa prática pode ser comparada à de se descrever detalhadamente todo o caminho, desde o que está mais próximo de você até o que está lá longe, na  linha do horizonte, portanto com muito mais detalhes do que é possível. O resultado dessa prática é um plano com baixíssima chance de acerto. E para que serve um plano assim?

Em um planejamento Ágil, utilizamos apenas o nível de detalhes que podemos “enxergar”. Para planejarmos um trabalho a ser realizado até o próximo dia, por exemplo, podemos utilizar um nível de detalhes bastante alto. Isso é, cada pequena tarefa a ser realizada. Para as próximas duas semanas – um ciclo de desenvolvimento, por exemplo – podemos utilizar um nível de detalhes ainda razoavelmente alto, porém menor do que para apenas um dia. Ao  planejarmos uma entrega que acontecerá daqui a dois meses ou mesmo o ano inteiro de projeto, a quantidade de detalhes diminui quanto mais longe olhamos no tempo, de forma que pouquíssimos detalhes podem ser utilizados para planejarmos o que está mais distante.

A lista de necessidades de negócios do Scrum, chamada de Product Backlog, reflete esse planejamento Ágil. O alto do Product Backlog possui itens com uma granularidade mais fina, ou seja, itens menores e que representam mais detalhes. Ao olharmos mais abaixo no Product Backlog, vemos que os itens vão ficando cada vez maiores e com menos detalhes. À medida que o projeto caminha no tempo, os itens do Product Backlog devem ser refinados continuamente com cada vez mais detalhes, refletindo apenas aquilo que conseguimos “enxergar” em cada momento.

Sobre o autor(a)

Co-fundador e Trainer na K21

Rafael Sabbagh é co-fundador da K21 e foi membro do Board de Diretores da Scrum Alliance entre 2015 e 2017. Ele é Certified Scrum Trainer (CST) pela Scrum Alliance e também Accredited Kanban Trainer (AKT) pela Kanban University. Atuando em nível executivo, possui uma vasta experiência em Transformação Digital e Gestão de Produtos. Ao longo da sua carreira, já treinou milhares de Scrum Masters, Product Owners e membros de equipes em mais de 15 países na Europa, América e Ásia.

No headers found for the table of contents.

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…