Você tem uma estrela no seu time?

Este post não tem tags.

Compartilhe:

Enquanto lia uma reportagem do El País sobre as recentes desventuras do time do Paris Saint-Germain (PSG) e Neymar. Na matéria o jornalista diz que Neymar se vê isolado do restante do time e comenta de algumas tentativas do presidente do clube, Nasser Al-Khelaifi, tentando resolver o problema.

Enquanto lia a matéria surgiram situações que já presenciei em Times Ágeis. Alguns problemas que achei relevante e devem estar no radar de gerentes, Scrum Masters, Agile Masters e pessoas com papel de gestor.

Cuidado com a Motivação extrínseca

Segundo Martinelli e Bartholomeu a motivação extrínseca a aquela que temos como resposta a algo externo à tarefa ou atividade. Recompensas materiais e sociais e reconhecimento são bons exemplos disso. Todavia, como diz o famoso ditado popular, “dinheiro não traz felicidade”. Para o Neymar, ser o jogador mais bem pago do mundo, sair da sombra do Messi e ganhar a bola de Ouro funcionou por algum tempo. Parece que não mais. Já para o Cavani não funcionou de forma alguma.

Time de estrelas

Não é porque os indivíduos são excelentes que quando eles ficam juntos formam um time. Lembra dos Galácticos do Real Madri: Figo, Zidane, Beckham, Ronaldo (Fenômeno). Individualmente fantásticos, custou mais de 1 bilhão de euros, porém trouxe um resultado pífio.

Por outro lado, um livro que eu recomendo a leitura é Moneyball: The Art of Winning an Unfair Game escrito por Michael Lewis. Ele fala como o time dos Oakland Athletics considerado mediano e barato se tornou um sucesso da Major League Baseball.

Indivíduo sobre o coletivo

Voltando ao PSG, cada um parece estar pensando em si. O presidente quer um time que acabe com a hegemonia espanhola, Neymar e Cavani querem ser os goleadores, outros jogadores tentam manter seus contratos. Metas individuais se tornam tóxicas para a coletividade.

Falta de liderança clara

O técnico parece estar na “de fora” do problema deixando o presidente, que não está no vestiário, tomar ações (ruins).

Deixa que eu resolvo

O presidente acredita que vai resolver a parada do jeito dele. Dá uma grana para um, manda o recado para outro. A falta de inteligência coletiva e contexto das pessoas de diferentes origens não está sendo considerada e o resultado está deixando as coisas um pouco pior.

Já passei por diversos times de software com algumas dessas características. A solução não é simples e a proporção aqui é bem maior. Todavia, eu sei que é possível revertê-la.

Posts relacionados

Quer saber mais sobre práticas de gestão inspiradora. Conheça o nosso treinamento de Management 3.0.

Sobre o autor(a)

Trainer na K21

Avelino Ferreira é formado e mestre em Ciência da Computação. Teve uma longa trajetória na TI, começando como programador e chegando a gestor de diversos times de criação de produtos digitais. Conheceu e começou a adotar as melhores prática de de Métodos Ágeis em 2008. Desde então, se dedica a auxiliar outras empresas na construção da cultura ágil. Atualmente, é Consultor e Trainer na K21

Artigos relacionados

Uma das principais habilidades que desenvolvemos enquanto consultores é a de fazer boas perguntas. Uma vez que as pessoas percebem o poder que tem uma boa pergunta, colocada ali na hora certa e que muda o destino de uma reunião,…

Há cerca de uma semana um estudo com um título bombástico tomou conta da web: “268% dos projetos que passaram a utilizar Métodos Ágeis pioraram e 56% passaram a falhar”, dizia o título. E ao ler o conteúdo, pareceu que…

A polêmica da semana é sobre o suspeitíssimo “estudo” afirmando que projetos com Agilidade teriam 268% mais chance de falhar.  Muito rapidamente os cavaleiros do apocalipse já se apropriaram do conteúdo para poder dizer que já sabiam! Claro que esse…

Oi time! Vamos conversar rapidinho sobre como podemos fazer nossas reuniões renderem mais sem deixar ninguém na corda bamba com a agenda lotada. Aqui vão algumas dicas pra gente manter o equilíbrio: A) Marcando as reuniões: 1) Checagem de Disponibilidade:…