Retrospectiva – Removendo as pedras do caminho

Este post não tem tags.

Compartilhe:

Quando o Time fica pronto? A resposta é: Nunca! Um Time Ágil está em constante formação. Entretanto,  ao longo desta jornada, alguns problemas surgem e atrapalham o desenvolvimento do grupo e a harmonia do trabalho. Removendo as pedras do caminho é uma dinâmica de retrospectiva na qual o Time expõe os problemas por ele percebido, priorizando quais desafios devem ser vencidos e traçando planos de ação para solução dos problemas mais relevantes.

A dinâmica de retrospectiva

Desenhe em um quadro uma linha bem irregular. Esse será o caminho. No final do caminho, desenhe uma linha de chegada. Em seguida, mais ou menos no meio do quadro desenhe o Time. Desenhe algumas pedras no início do caminho e outras entre o Time e a linha de chegada.

Exemplo de quadro desenhado.

As pedras ultrapassadas são todos os problemas que o time já teve e já foram superados. Elas não são o foco da dinâmica, mas ajudam na motivação das pessoas e evitam a Síndrome do Patinho Feio (o Time percebe tudo como problema e tem a sensação de que nunca conseguiu resolver nada).

Já as pedras no caminho são todos os problemas que atrapalham o time a chegar ao objetivo do Time de altíssima performance.

Peça para o time, em duplas ou trios, preencherem post-its dizendo quais são estas pedras. Um item por post-it. Deixe as pessoas escreverem livremente todos os problemas que elas acham relevantes.

Leia os post-its e tente agrupá-los por similaridade para que as pedras mais citadas se transformem em montanhas.

Em seguida, peça para as pessoas escolherem qual o problema mais importante na perspectiva delas. Gostamos de utilizar o Dot Voting para tal. O problema mais votado será o problema tratado.

Desenhe uma britadeira sobre a pedra mais votada e peça para o Time descrever o que é a britadeira. Esse será o plano de ação que removerá a pedra. Em seguida pergunte quem irá segurar a britadeira para quebrar a pedra (responsáveis pelo plano de ação). Deixe bem claro que estes voluntários não precisam necessariamente resolver o problema sozinhos. Eles devem, em um curto intervalo (1 Sprint), buscar entregar um incremento real que solucione um aspecto significativo do problema.

Caso o time seja grande, é possível escolher dois ou mais problemas. Todavia, perceba que quanto mais frentes forem abertas, maiores são as chances de desperdício de esforço e de não obtenção da solução. Pare de começar e comece a terminar.

Sobre o autor(a)

Trainer na K21

Avelino Ferreira é formado e mestre em Ciência da Computação. Teve uma longa trajetória na TI, começando como programador e chegando a gestor de diversos times de criação de produtos digitais. Conheceu e começou a adotar as melhores prática de de Métodos Ágeis em 2008. Desde então, se dedica a auxiliar outras empresas na construção da cultura ágil. Atualmente, é Consultor e Trainer na K21

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…