Todos precisam conhecer o Design Thinking

Este post não tem tags.

Compartilhe:

O Design Thinking já ultrapassou o status de termo da moda. O fato é que ele não é nada novo para quem trabalha com produtos e inovação, muito menos para designers que aprenderam a atuar como MacGayver no dia-a-dia das empresas.

Design Thinking virou um termo guarda-chuva, cobrindo técnicas, métodos, conceitos e os mais variados aparatos para auxiliar pessoas e empresas que precisam inovar de forma sustentável e focada no indivíduo mais importante para seu negócio, também conhecido como: seu cliente.

Para ampliar ainda mais o entendimento sobre este último, são trazidos elementos de diversos campos, inclusive da psicologia. Tais elementos, associados a todo o poder de síntese do design, possibilitam identificar através de rápidas tentativas qual será a melhor forma de solucionar um problema.

Você não é seu cliente e seu cliente não sabe o que quer.

De que adianta produzir muito se o que você produz é interessante apenas para você? Muitas vezes, o idealizador da ideia não é o consumidor do produto. Como você poderá sozinho validar a aderência dele para o público? Feeling? É mais seguro você sair de seu escritório e falar com quem usa seu produto.

O Design Thinking deixou de ser uma matéria só para especialistas que estudam a melhor forma de criar produtos. Hoje é uma questão de sobrevivência dos negócios. Com cada vez mais concorrentes, cria-se consumidores mais exigentes, em um mercado em que tudo é fácil de ser desenvolvido ou copiado. Acerte o coração do consumidor ou se junte aos 90% dos produtos que não sobrevivem após o primeiro ano no mercado.

Design Thinking e Ágil.

Se aceitarmos o fato que as empresas cada vez mais estão adotando Ágil como cultura, os times tenderão a ser cada vez mais multidisciplinares. Consequentemente, as decisões estratégicas dos produtos, que antes eram tomadas apenas pelo dono da empresa ou por um superior seu hierarquicamente, agora será compartilhada e até delegada aos times.

Uma vez que as decisões estratégicas de um produto sejam compartilhadas com o time, é preciso que todo trabalhador saiba identificar as necessidades do cliente, além de saber discutir sobre o próximo incremento no produto. Ou seja, não saber o mínimo sobre Design Thinking pode fragilizar seu currículo como trabalhador do conhecimento atualmente, que dirá em um futuro próximo.

É preciso evitar a frase: “o PO (ou o chefe) que mandou assim”. Toda ideia é uma hipótese a ser validada, que deve derivar de um problema real, de um cliente real. Afinal, melhor não acreditar na bola de cristal para desenvolver produtos 🙂

Sobre o autor(a)

Função não encontrada

Danilo é agilista desde 2008, já passou por quatro aquisições de startups para grandes grupos e foi responsável por inovação digital de 14 marcas de educação. É sócio da K21 e responsável pelo nosso modelo de liderança. Também é fundador da MagmaLab. Atuou na transformação de empresas como Natura, Adeo Leroy Merlin, Itaú e Whirlpool.

Artigos relacionados

Uma das principais habilidades que desenvolvemos enquanto consultores é a de fazer boas perguntas. Uma vez que as pessoas percebem o poder que tem uma boa pergunta, colocada ali na hora certa e que muda o destino de uma reunião,…

Há cerca de uma semana um estudo com um título bombástico tomou conta da web: “268% dos projetos que passaram a utilizar Métodos Ágeis pioraram e 56% passaram a falhar”, dizia o título. E ao ler o conteúdo, pareceu que…

A polêmica da semana é sobre o suspeitíssimo “estudo” afirmando que projetos com Agilidade teriam 268% mais chance de falhar.  Muito rapidamente os cavaleiros do apocalipse já se apropriaram do conteúdo para poder dizer que já sabiam! Claro que esse…

Oi time! Vamos conversar rapidinho sobre como podemos fazer nossas reuniões renderem mais sem deixar ninguém na corda bamba com a agenda lotada. Aqui vão algumas dicas pra gente manter o equilíbrio: A) Marcando as reuniões: 1) Checagem de Disponibilidade:…