O RH pode ser ágil? Não, deve!

Este post não tem tags.

Compartilhe:

Junto com a revolução industrial, surge a área de RH ou DP, para cuidar principalmente das contratações e demissões. Lembro da famosa frase na hora de demitir: “passa no DP”. Conforme as indústrias foram crescendo e se profissionalizando a área de RH seguiu este mesmo caminho.

Ouça agora este conteúdo sobre RH Ágil!


Víamos até bem pouco tempo atrás, a Área de RH respondendo para a área Financeira ou Administrativa, o que mostra a pouca importância dada à mesma. Hoje, já vemos o diretor de RH participando com as mesmas chances do plano de sucessão presidencial das organizações, o que evidencia o atual patamar e relevância da área.

Porém, junto com a profissionalização e todas as ferramentas de gestão (SAP, ISSO, PMI …) e compliance, o RH enrijeceu e, ao invés de uma área estratégica para o crescimento da empresa, virou um enorme gargalo para a mesma. Hoje, o RH se esconde por detrás de muita burocracia, criada por ele mesmo.

E agora? Qual a saída?
Com a chegada do Ágil, existe uma enorme chance do RH se reinventar e evitar o pior. Ágil não é uma ferramenta ou um modismo: Ágil é cultura! E qual área, se não o RH, deveria puxar e liderar esta mudança?

Liderança Ágil

Vamos começar pela definição de Ágil. Muitas pessoas confundem agilidade com projetos velozes ou trabalhar e ser rapidinho. Não que a agilidade não traga velocidade, mas é muito mais do que isso. Ser ágil não é ser rápido e sim adaptável. Gostamos muito da metáfora do trem bala e do guepardo. O trem bala é muito veloz, porém incapaz de mudar de direção fora dos trilhos, se uma ponte cair, morremos todos e bem rapidinho. O guepardo, por sua vez, não é tão rápido como o trem bala, mas tem uma capacidade de mudar de direção e ajustar a velocidade conforme a presa (objetivo) muda também. Logo, ágil seria o guepardo e não o trem bala.

YouTube video

Já que estamos falando de cultura, vamos à ela. Se uma empresa, setor ou time trabalha:

  • com foco no valor de negócio;
  • em ciclos curtos; e
  • objetivando melhoria contínua.

podemos afirmar, então, que esta empresa, setor ou time tem mindset ágil.

Mindset Ágil

Agora, será que um time pode ser ágil sem utilizar o famoso Scrum? Claro que sim! Ágil é uma cultura, o Scrum, assim como o Kanban, são ferramentas que se tornaram populares e de fato são riquíssimas e importantíssimas na implementação e consequente na transformação ágil. Mas entendemos que nem todos os times devem utilizar estas ferramentas. Muito menos implementá-las by-the-book. Como já falamos, ágil é ser adaptável, e essas ferramentas têm que estar adaptadas à cultura, valores e propósitos de cada empresa, respeitando sempre as pessoas que lá trabalham, ou seja, o RH tem o dever de atuar em toda implementação do Ágil!

Gostou? Confira outros artigos sobre o assunto:

• Espiral Positiva de Times de Alta Performance
• Líder Ágil x “Líder” Chefe

Sobre o autor(a)

Agile Expert e Trainer na K21

Andre Bocater Szeneszi é sócio na K21 e co-fundador da startup WBrain Agile People. Com uma longa trajetória empreendedora e também como HeadHunter, Andre é apaixonado por Pessoas e Cultura Ágil. Formou-se em Administração pela PUC-Rio e possui diversas especializações em Business, como: especialização em Finanças pela Pontifícia Universidad Católica de Buenos Aires, Gerenciamento Estratégico pela Universidad de Belgrano e Strategic Planning & Decision Making pela Berkeley. Atuou como professor da Pós-Administração da Fundação Getulio Vargas durante muitos anos e também ministra treinamentos de Cultura Ágil no Brasil, América Latina, Estados Unidos e Europa. É colunista da Revista Human em Portugal.

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…