Puxando o Kanban pelas tensões do sistema

Muitas equipes têm tensões não tratadas nas relações, no negócio e na entrega do produto ou serviço, representadas pelas insatisfações de seus membros. Veja como evoluir a entrega de produto ou serviço com o ganho de produtividade a partir das insatisfações das equipes.

Aproveite para escutar este artigo!

A qualquer momento, um ou mais membros podem ter ao menos uma insatisfação a tratar, provocada pela tensão entre a realidade percebida e a desejada. A recorrência desta tensão, foi o acúmulo de energia potencial que poderia movimentar a equipe no rumo certo ou levar progressivamente a entropia do sistema quando se torna insatisfação.

Dessa forma, coletamos as insatisfações de equipes que trabalhamos e relacionamos com os quatro domínios da agilidade (negócio, cultural, organizacional e técnico) para uma primeira análise em busca das tensões que originaram.

Insatisfações
Figura 1 – Insatisfações distribuídas nos quatro domínios

No geral, as equipes sabem da existência das tensões, mas têm pouca noção da real situação, volume e impacto porque são, na sua maioria, intangíveis ou assumidas como “fantasmas” do sistema. Dar visibilidade das insatisfações é o primeiro passo para identificar as tensões originais.

A essa altura, a provocação é: “como podemos visualizar essas insatisfações e tensões da equipe com o trabalho, a ponto de conseguirmos medi-las?”

Neste cenário, o Kanban deve ser entendido pela equipe como um mapa do tesouro dando as orientações para encontrarem o real fluxo de valor a ser entregue, sua evolução, capacidade, orientação, consistência, componentes e, principalmente, os eventos que o impactam significativamente. Por esta razão, faz sentido que as tensões estejam lá representadas e medidas.

A fim de auxiliar no desenvolvimento de hipóteses de abordagem das tensões com o Kanban, relacionamos aos princípios e práticas que podem ser usados como próximo passo.

Puxando o Kanban pelas tensões do sistema 1
Figura 2 – Mapa de hipóteses de insatisfações relacionadas com princípios e práticas do Kanban

Dois exemplos de hipóteses de abordagem mapeadas a partir das insatisfações validadas no Kanban:

Na primeira, podemos considerar a baixa confiança existente no sistema de trabalho como causa possível para o Microgerenciamento dentro de uma organização ou time. Se considerarmos a transparência o primeiro passo para confiança, dar visibilidade ao que você faz agora e como faz permite a equipe e todos os interessados examinar o fluxo de trabalho, a agregação de valor, seus estados, taxonomias, eventos, elementos e impedimentos.

A outra, segundo a Lei de Little, o tempo de entrega (Lead time) alto é diretamente proporcional à grande quantidade de trabalho em progresso (Working In Progress, WIP). No entanto, limitar o trabalho em progresso é um paradigma que não se quebra de uma hora pra outra, por isso a mudança precisa ser  introduzida de forma incremental e evolucionária. Assumindo que como time estamos aprendendo e evoluindo, podemos experimentar novos limites, mas com foco em gerenciar o fluxo de trabalho e não pra “abrir espaço”. Este momento de experimentação é debatido pelo time e traz a melhoria puxada quando o limite é atingido.

Apesar de conhecida, as consequências de não gerenciar as tensões e insatisfações ainda é comum times não pararem para colocá-las na mesa. Transpor este bloqueio e discuti-las abertamente buscando as melhorias sistêmicas sugeridas pelos princípios e práticas do Kanban, permitirá às equipes e organizações absorverem melhor as mudanças com menos riscos e dores, além de aumentar a confiança na entrega de um produto ou serviço de qualidade aderente ao seu propósito.

Adote o método Kanban! Inscreva-se no treinamento Kanban System Design (KMP I)

Inscreva-se no treinamento de Kanban!

Sobre o autor(a)

Função não encontrada

Há 16 anos atuando na facilitação de projetos de TI, sendo os últimos 7 anos pela aplicação do pensamento Ágil, atua como Agile Coach da K21 em clientes de diversos segmentos do mercado, tanto no setor de privado quanto público. Qualificado em Scrum, Kanban, Gerenciamento de Projetos e Facilitação, ajuda, diariamente, times (de TI e fora dela) a adotar o True Agile e a encontrar maneiras melhores de entregar valor a seus clientes.

No headers found for the table of contents.

Artigos relacionados

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…

Uma das principais habilidades que desenvolvemos enquanto consultores é a de fazer boas perguntas. Uma vez que as pessoas percebem o poder que tem uma boa pergunta, colocada ali na hora certa e que muda o destino de uma reunião,…