Os sete arquétipos de um Product Owner

Compartilhe:

É muito provável que você já tenha ouvido o termo “arquétipo” em algum momento de sua vida, em especial ligado às artes. O cinema em especial utiliza o conceito de forma consistente, quando observamos a personalidade de algum personagem que é refletida por meio de suas ações no decorrer do filme, passando por sua vestimenta, modo de falar e personalidade de forma geral.
A palavra “arquétipo” tem origem grega, e remete a junção de outras duas: “archein” = original ou velho; e “typos” = padrão, modelo ou tipo.

A aplicação de arquétipos nas organizações.

Como essas representações mentais e comportamentais arraigadas no inconsciente coletivo podem trazer alguns insights efetivos, em especial no contexto de produtos digitais?

Os arquétipos desempenham funções distintas em uma estrutura social. Dentro da comunicação, o objetivo dos arquétipos é identificar padrões de comportamentos, quais as motivações das pessoas ao adquirir um produto ou serviço e como se comunicar com ela.


Dessa forma o entendimento para organização de diferentes perfis e pessoas ajuda na definição de estratégias específicas, tanto dentro da organização (entendimento do que motiva cada colaborador, por exemplo) quanto fora (avaliação de padrões de comportamento de nossos clientes).

Arquétipos ≠ estereótipos

Antes de nos aprofundarmos, vale ressaltar a importância de não confundirmos conceitos que podem parecer a mesma coisa: enquanto estereótipos são generalizações simplificadas que frequentemente são baseados em preconceitos culturais, raciais, étnicos, de gênero, classe e outros. Ele não leva em consideração as características individuais, é uma representação que toma o lugar do representado de forma simplista e sem embasamento devido.

 Já os arquétipos são imagens, símbolos ou modelos universais que representam padrões compartilhados de comportamento, personalidade ou situações.

A criação dos sete 7 arquétipos de um Product Owner (PO)

Em 2016, John Cutler (renomado pensador e escritor sobre gestão de produtos), criou em seu blog uma aplicação bastante relevante em relação aos arquétipos de um Product Owner (PO) ou Product Manager (PM), conforme a imagem abaixo.

Uma imagem com os sete arquétipos de pessoa de produto (Product Owner / Product Manager) escrito por John Cuttlefish. Todos são explicados individualmente nas imagens subsequentes.
A visão dos sete arquétipos de um product owner/product manager por John Cutler. Imagem original publicada em: https://cutle.fish/blog/7-product-manager-product-owner-archetypes

Em todas as imagens, o círculo laranja representa a pessoa de produto (Product Owner / Product Manager) e como ele se relaciona com o ambiente.

Vamos explorar cada um deles em detalhes visando trazer uma compreensão melhor de como gerir uma equipe de Product Owners (POs), por meio dos diferentes touchpoints (pontos de contato) que farão mais sentido para interação com cada um dos arquétipos e seus agentes motivadores para que seja possível buscar formas orgânicas de alavancagem de produtividade e geração de valor.

O Leiloeiro

Arquétipo do Leiloeiro. Diversos círculos dentro de uma caixa chamada Stakeholders (partes interessadas). Eles têm ideias e passam para o Product Owner. Ele transforma essas ideias em funcionalidades (itens de trabalho) e as passa para o time que entregam saídas.

Atua como um grande filtro, captando às demandas dos stakeholders, que normalmente são bem tarefeiras, gera uma lista priorizada, transforma em itens de trabalho para o time, e coleta o retorno dessas entregas para os stakeholders. Vemos bastante esse cenário em times que trabalham com produtos internos direcionados ao negócio (Business to Business, B2B).

O PMP (Gerente de Projetos)

O Arquétipo do PMP. Vários círculos dentro de um quadrado identificando os stakeholders. Cada stakeholder fazendo pedidos e tendo ideias. Um círculo laranja indica a pessoa de produto que recebe esses pedidos e ideias, transforma-as em funcionalidades (itens de trabalho) e repassa para um círculo maior que é o time. O PO retornar os status através de semáforo (verde, amarelo e vermelho) para os stakeholders.

Nesse arquétipo podem existir vários POs simultaneamente, mas, na prática, eles só inserem itens de trabalho para o time fazer e cobram Status, completude e prazo. O PMP, sigla de Project Management Professional (Profissional em Gerenciamento de Projeto), vem do antigo gestor de projetos.  Ele é mais próximo do time, mas o que ele faz na prática é ser um gatekeeping (porteiro, porém sentido é mais aplicado aos guardiões de portões de carteira medievais) das tarefas e provê relatório de status sobre o que está acontecendo.

O sucesso aqui é medido pela completude dos itens de trabalho dentro do custo e prazo acordados. Há baixa autonomia enquanto a tomada de decisão de negócio. Isso costuma ficar na mão dos stakeholders. Produtos mais comoditizados, obras e infraestrutura costumam morar nesse contexto.

O MBA

O Arquétipo do MBA. Um círculo apresentando o cliente (consumidor) com uma linha pontilhada indo para o usuário. O usuário tem uma ligação com o UX (User eXperience, profissional de Experiência do Usuário) e este está ligado ao time. Esse consumidor está conectado por uma seta com o negócio. O negócio se conecta à pessoa de produto através de objetivos que por sua vez conecta à tecnologia organizacional. Uma espécie de “tradução” entre a linguagem de negócio e a tecnologia. Essa tradução se liga ao time.

Esse padrão era comum nos grandes bancos. O PO MBA já tem um olhar mais forte para objetivos de negócio, geralmente business centric (daí vem o MBA – Master Business Administration, Mestre em Administração de Negócios). Geralmente é uma pessoa de negócio, que se diz de produto, mas, na realidade, é distante do time. Atua com um proxy (representante) com algum time de tecnologia “traduzindo” às demandas de negócio em demandas de tecnologia.

O Catalisador

O Arquétipo do Catalisador. Três círculos iniciais: Usuário / Consumidor, Mercado e Negócio. Usuário / Consumidor e Mercado se ligam aos dados / feedback e esse ao time. O Negócio se liga aos objetivos e esse ao time. O Product Owner fica entre dados / feedback e objetivos de negócio como um filtro. Ele também filtra o que o time devolve que são experimentos e funcionalidades (itens de trabalho).

Esse PO geralmente tenta filtrar as necessidades de negócio, do cliente e do mercado. Ele busca pontos em comum e tenta em certos momentos fazer passar um ou outro ponto, porém nem sempre há preocupação com a capacidade do time de atender as demandas. Ele tenta equilibrar as necessidades e ver se é possível fazer de tudo um pouco. Infelizmente, não tem tanta proximidade do time.

Mini CEO

O Arquétipo do Mini CEO. Dois círculos iniciais: Usuário / Consumidor, Mercado. Eles estão diretamente conectados ao PO que obtém objetivos de negócio e apresenta resultados para o negócio. O PO está encostado no time.

CEO é a sigla para Chief Executive Officer equivalente ao Diretor executivo. Esse PO é cobrado por entrega e por resultado. Esse arquétipo está mais relacionado com empresas hierárquicas. O Product Owner precisa interagir com User eXperience (UX, Experiência do Usuário), clientes, stakeholders e com o mercado. Ele/Ela é uma liderança explícita para o time e está muito próximo dele. A responsabilidade (accountability) é toda do/da PO.

Advogado do Usuário

O Arquétipo do Advogado do Usuário. O Círculo Inicial é o usuário. Ele está ligado ao PO que tem empatia com ele. Abaixo desse relacionamento há um quadro pontilhado escrito: Desenho da experiência do usuário. O PO é ligado ao time e há vários círculos se conectando ao time, um deles está escrito: tecnologia organizacional.

Geralmente tecnologia e negócio dão várias ideias para esse PO, mas ele está sempre sendo o “Advogado” do usuário. Vemos muito esse padrão em empresas muito focadas em crescimento (growth) e em startups. O PO está ali colocando demandas no Backlog com foco em crescimento e experiência do usuário, porém para tecnologia e outras questões importantes, temos outras áreas e pessoas responsáveis por priorizar e executar.

O Arquétipo do Tecnólogo. O Círculo Inicial é o negócio. Ele está ligado ao PO através de objetivos. O PO está sobre o time como interseção e ele devolve para o negócio inovação. Abaixo do time e do PO há um retângulo pontilhado escrito: Tecnologia.

Esse arquétipo de pessoa de produto é bem comum para áreas de inovação. Geralmente surge uma nova tecnologia, uma nova ferramenta etc. Esse PO “leva para casa”, e junto do seu time, desenvolvem provas de conceito (POC, Proof of Concept) e apresentam o resultado. É por isso que ele geralmente é cobrado, para apresentar inovações e suas aplicações reais.

E no final, para que queremos e por que usamos arquétipos?

O uso de arquétipos nos ajuda identificar qual é o nosso estado atual, desejado e qual seria o nosso próximo passo. Arquétipos não são prescritivos, nem fazem julgamento. Eles nos ajudam a ter boas conversas enquanto POs sobre o que queremos para o nosso produto/negócio de acordo com as perspectivas de futuro.

Então, não é sobre rotular, é sobre registrar padrões encontrados nas empresas, e identificar que existem alguns mais adequados que outros. Não existe arquétipo certo nem errado, porém existem alguns mais completos. O mais adequado dependerá do momento da sua empresa / time. E, inclusive, pode ser até que em contextos diferentes você tenha que assumir mais de um arquétipo. O importante é ter consciência disso e das suas implicações.

Um exemplo prático de aplicação seria: se hoje me reconheço como do arquétipo “MBA”, considerando os benefícios e as dores ou oportunidades que tenho:

  • não selecionadaFaria sentido eu migrar para outro arquétipo mais adequado? Em caso afirmativo, quais seriam os próximos passos? De quem preciso de ajuda?
  • não selecionadaQue movimentos precisam acontecer para eu chegar lá? O que me impede de fazer isso hoje?

Fica nosso convite para que você possa se aprofundar mais sobre as possibilidades desse papel-chave, navegar por elas de forma não exaustiva, identificar em qual ou quais você se encontra hoje em seus diferentes contextos e refletir se existe a possibilidade de evolução para um cenário mais relevante para você, para o time e para sua organização.

Gostou do conteúdo? Dê uma olhada no nosso treinamento de

Super Autor Convidado

Homem branco cabelo e barba curta. Brinco na orelha, camisa cinza.

Estevan Sanches

Estevan Sanches”Movido por tentar compreender as diferentes relações sociais que compõem o nosso mundo. Coordenador de Produto da foodtech We:Digitek e colunista do Product Guru’s”

Conecte-se com Estevan no Linkedin

Sobre o autor(a)

Product e Agile Expert na K21

Agilista no ramo do varejo há mais de 7 anos, sua experiência concentra-se principalmente no desenvolvimento de produtos. Apaixonada por ensino e aprendizado; Fernanda acredita na agilidade como meio para transformação de pessoas e organizações.

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…