Características de times de alta performance: Práticas

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Este post não tem tags.

Compartilhe:

No primeiro artigo da série sobre Times de Alta Performance, nós abordamos os valores seguidos por eles. Agora, nós vamos falar sobre as práticas – são seis – adotadas pelos times no dia a dia.

1) Colaboração

A colaboração acontece por meio dos membros integrados e inter-funcionais. Eles fazem o compartilhamento do conhecimento de forma mais rápida e consistente. Um time colaborativo é aquele em que todos os integrantes se sentem completamente comprometidos com todas as etapas do trabalho, desde a concepção até à entrega do produto final. Por estarem comprometidos, a preocupação é com o todo e não apenas com as tarefas que cada um tem. Sendo assim, as pessoas do time ajudam umas às outras e fazem críticas construtivas ao longo de todo processo.

2) Auto-organização

Os Times de Alta Performance são ligados a uma crença de que todos podem e devem participar de decisões importantes, assim, estarão mais motivados e tomarão melhores decisões do que pessoas que apenas recebem ordens de seus chefes. Quanto menor a dependência de uma única pessoa para tomar decisões, menor é o risco de existir gargalos que impactam diretamente no ritmo com que a melhoria contínua é aplicada no time.

3) Responsabilidade

Os integrantes apoiam a tomada de decisão distribuída – qualquer um pode ser um líder. Relembrando o valor 6 do artigo anterior: para que a responsabilidade seja distribuída é preciso que haja confiança entre todos. Ao confiar que seus pares estão fazendo o melhor trabalho possível em busca do resultado desejado, a decisão de um integrante responde por todo time, garantindo a fluidez do processo. O senso de responsabilidade é um alicerce que impulsiona as pessoas na busca pela melhoria contínua.

4) Foco

Os Times de Alta Performance possuem um propósito claro e compartilhado. Eles sabem para onde estão indo e em que direção estão seguindo. Testam, aprendem e entendem o que funciona no trabalho e o que precisa ser feito para melhorar. Os integrantes refletem frequentemente e se perguntam se o trabalho que está sendo executado está indo na direção precisa.

5) Generosidade

A generosidade é um aspecto muito importante, mas frequentemente negligenciado por causa da pressão do dia a dia. O impacto é direto sobre as práticas de gerenciamento de conhecimento da equipe. Se você sabe algo que ninguém mais sabe, você deve ver isso como uma ótima oportunidade para compartilhar o assunto. Não estamos falando apenas de uma prática interna entre os seus pares. Estamos falando sobre o compartilhamento do saber com outras equipes através de Techtalks, Hackathons e etc.

6) Cuidado

Os integrantes dos Times de Alta Performance estão sempre preocupados uns com os outros. Se alguém não está indo bem, toda a equipe desacelera. Ter cuidado com os outros constrói o equilíbrio necessário para alcançar e manter um estado de alto desempenho. As reuniões de retrospectiva são frequentemente usadas para trazer alguém de volta ao jogo, para que a equipe possa se curar e seguir em frente.

Confira os artigos da série sobre Equipes de Alta Performance:

Características de equipes de alta performance: Valores
Características de times de alta performance: Práticas
Características de times de alta performance: Estrutura

Gostou deste artigo?  Quer interagir com a gente? Comente aqui embaixo – quais são as práticas que o seu time adota em busca da alta performance?

Sobre o autor(a)

Co-fundador, Consultor na Nower e Trainer na K21

Marcos Garrido, co-fundador da K21, é Certified Enterprise Coach (CEC), Certified Scrum Trainer (CST) e Certified Team Coach (CTC), fazendo parte do seleto grupo no mundo que possuem as três certificações mais importantes da Scrum Alliance. Com grande atuação internacional, possui larga experiência em Transformação Digital e Gestão de Produtos.

No headers found for the table of contents.

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…