Agilidade é mais que modinha, é diferencial

Imagem padrão do perfil

Este post não tem tags.

Compartilhe:

“Que se movimenta com facilidade; ligeiro, leve”.

Por muitos anos, essa era a única associação que fazíamos com a palavra agilidade. Entretanto, esse termo ganhou destaque recentemente por ter se transformado em um conceito do futuro do trabalho.

Ouça este artigo!

Mas será que a agilidade é só uma modinha ou as metodologias ágeis se tornaram um diferencial que transforma carreiras e empresas? Continue lendo este artigo que preparamos para você.

O que é agilidade?

Para entendermos se a agilidade é uma modinha ou não, é necessário olhar sua origem. Essa palavra foi escolhida para representar um movimento criado nos anos 90 em resposta aos métodos de gerenciamento de desenvolvimento de software burocráticos e densos que predominavam na época.

Nesses métodos, que continham planos de ação extensos e detalhados, as mudanças eram abominadas. Isso porque, aos olhos da equipe, elas resultavam em mais reuniões, retrabalho e projetos atrasados. 

Entretanto, profissionais que buscavam espaços que permitissem a agilidade, criaram métodos como Scrum e Extreme Programming a partir dos princípios e valores do Manifesto para o Desenvolvimento Ágil.

O Manifesto foi criado em 2001 em uma reunião nos Estados Unidos com 17 líderes representantes de ideias, metodologias e processos. 

Em contraste com as práticas predominantes na época, o Manifesto tem como intuito trazer valor para seus clientes por meio de abordagens leves e empíricas para projetos de desenvolvimento de software. Veja abaixo o manifesto:

“Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software, fazendo-o nós mesmos e ajudando outros a fazerem o mesmo. Através deste trabalho, passamos a valorizar:

  • Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas;
  • Software em funcionamento mais que documentação abrangente;
  • Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos;
  • Responder a mudanças mais que seguir um plano;

Ou seja, mesmo havendo valor nos itens à direita, valorizamos mais os itens à esquerda.”

Leia também: Mindset Ágil

Por que agilidade é mais que uma modinha?

Com mais de 20 anos de existência, o Manifesto para o Desenvolvimento Ágil já é prova de que a agilidade veio para ficar nas organizações. 

Entretanto, muitos profissionais possuem essa percepção, pois apenas nos últimos anos que os métodos ágeis expandiram seu alcance de áreas tecnológicas para outros setores corporativos, como:

Essa implementação é possível porque as metodologias ágeis pretendem trabalhar a produtividade e engajamento nas companhias. Ou seja: qualquer área pode aprimorar seus processos com a ajuda dessa inovação.

Ao buscar entrega de valor contínua, aprendemos, evitamos retrabalho, já que tudo será feito focado em evitar o desperdício.

E se você quer entender mais sobre as possibilidades da agilidade dentro das corporações, vale a pena conferir um artigo que escrevemos sobre os quatro domínios da agilidade. Você também pode dar play no vídeo abaixo para entender, com um exemplo prático, como os quatro domínios podem ser colocados em prática:

YouTube video

Como implementar a agilidade nas equipes? 

Atualmente, existem inúmeros métodos ágeis unidos pelos princípios e valores descritos pelo Manifesto Ágil. Dentre as metodologias mais comuns estão:

  • Scrum;
  • Kanban;
  • Feature Driven-Development (FDD);
  • Lean;
  • Extreme Programming (XP);
  • Dynamic Systems Development Method (DSDM).

Independente da metodologia escolhida por uma empresa para garantir mais agilidade aos processos, é importante que ela trabalhe três pilares: velocidade e eficiência, liberdade de experimentação e a comunicação e colaboração.

Ademais, é necessário investir no conhecimento humano. Afinal, apenas com equipes treinadas para enxergar esses pilares que sua empresa terá:

  • Uma cultura de aprendizagem, que permite que as pessoas errem e que elas aprendam com seus erros (assim como seus acertos, claro);
  • Metas desafiadoras, mas também alcançáveis, que incentivam suas equipes a praticar soft skills como liderança e organização;
  • Profissionais mais resilientes, que sabem se adaptar às mudanças exigidas em diferentes projetos.

Se você quer levar mais agilidade para sua carreira ou para sua equipe, é importante dar os primeiros passos na agilidade com quem é referência de mercado. Por isso, a K21 produziu um treinamento de Introdução à Agilidade para ajudar profissionais e empresas a nortear o desenvolvimento de seus negócios, produtos e serviços. 

Neste treinamento online e ao vivo, são abordados desde os conceitos mais importantes sobre as metodologias ágeis até ações que podem ser implementadas para transformar a rotina corporativa.

Mas mais importante que saber o que oferecemos nesse treinamento é entender o que nossos alunos pensaram dessa experiência de aprendizagem. Por isso, trazemos abaixo depoimentos de dois alunos:

“Obtive dicas de livros, vídeos e artigos que exemplificaram bem o que foi discutido e que pode ser utilizado no dia a dia conforme forem surgindo as dúvidas/situações.”

“Perfeito. Foram extremamente simpáticos e empáticos. Sabem ouvir, argumentar e complementar as falas dos alunos.

Se você deseja se tornar uma referência em agilidade, acesse nossa página para conferir as próximas turmas disponíveis para nosso treinamento inovador. E se você também participou do curso, não deixe de comentar abaixo sua experiência para nossos leitores! Até a próxima!

Sobre o autor(a)

Função não encontrada

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…