Métricas Ágeis: Midstream e Downstream

Este post não tem tags.

Compartilhe:

Este artigo foi modificado no dia 04/08/2023. Mais informações no final deste texto.

No texto “Fluxo de Trabalho: o upstream, midstream e downstream” vimos como podemos mapear o fluxo de trabalho através de três grandes etapas de Upstream, Midstream e Downstream. Vou colocar um breve resumo dos conceitos necessários para entender as métricas que estão no fluxo.

Não perca também os outros artigos dessa série:

Fluxo de Trabalho: o upstream, midstream e downstream

Métricas Ágeis comuns ao upstream, midstream e downstream

Métricas Ágeis: Upstream

Recomendo a leitura do artigo indicado antes de começar a ler este.

ItemConceito
Upstream – NascenteParte do fluxo que se destina a descobrir (discovery) se as opções disponíveis devem ou não ser construídas pelo time.
Midstream – LeitoParte do fluxo que começa no Ponto de Comprometimento. Ela mapeia as etapas de construção do produto ou serviço.
Downstream – FozParte do fluxo que se destina à entrega (delivery) do produto ou serviço após a construção até o cliente.
OpçõesÉ uma manifestação do desejo de algum stakeholder (product owner, product manager, clientes, gestores) que o time avaliará se é válido, viável e desejável para ser construído. Em todo Upstream nós temos opções sendo avaliadas.
Item de TrabalhoUma vez que a opção foi avaliada e o time decidiu que ela será feita, ela se transforma em um item de trabalho.
Piscina de OpçõesÉ o local onde estão armazenadas as opções antes do Upstream. Tradicionalmente chamada de Product Backlog.
Ponto de Recebimento da DemandaMomento em que recebemos a demanda no fluxo de trabalho. Normalmente o pedido de algum cliente criando uma nova opção.
Ponto de ComprometimentoEtapa do Fluxo na qual o time / squad se compromete com a construção e posteriormente entrega do item de trabalho para os stakeholders.
Ponto de EntregaEtapa do Fluxo na qual o item de trabalho é entregue (se torna disponível para o uso do cliente).
Tabela de conceitos do mapeamento do fluxo de trabalho.

Esse resumo apresenta as principais características do mapeamento de fluxo de trabalho. Entretanto, se quisermos avaliar como está a eficiência deste fluxo, medir o “tamanho” dos problemas e avaliar o impacto de soluções, precisamos de métricas. Abaixo listamos as Métricas de Fluxo, também conhecidas como Métricas Ágeis, o que elas medem e em que parte do fluxo se encontram.

Antes de começarmos o texto, temos alguns recados

Há muitas métricas disponíveis para você compreender o seu fluxo. Se você utiliza alguma ferramenta digital para a gestão do fluxo de trabalho, é provável que elas já estejam disponíveis. A leitura deste artigo apenas facilitará a compreensão sobre como essas ferramentas chegam até o valor que apresentam.

O segundo recado é que as ferramentas não padronizam a nomenclatura das métricas. Portanto, em alguns casos você terá que fazer um dê-para da nomenclatura aqui apresentada e aquela utilizada na ferramenta da sua empresa. Neste artigo, partimos das referências da literatura mais próxima aos inventores dos métodos. São elas: Kanban: Mudança Evolucionária de Sucesso para seu Negócio de Tecnologia de David J. Anderson (2011); Kanban Esencial Condensado David J Anderson e Andy Carmichael (2017); Essential Upstream Kanban de Patrick Steyaert (2017); O Guia do Scrum de Jeff Sutherland e Ken Schwaber (2020).

Não se assuste com a quantidade de métricas e JAMAIS, JAMAIS, JAMAIS tente utilizar tudo ao mesmo tempo. Leia o artigo, saiba quais existem, olhe na ferramenta que você utiliza, como elas são apresentadas e depois pergunte-se: Quais os problemas que eu quero resolver? Dessa resposta, deriva a escolha das métricas que seu time acompanhará. 

“Tudo é sempre muita coisa.”

– Luiz (Lula) Rodrigues

Também lamentamos pelo extenso uso de palavras da língua inglesa, mas, na prática, é o que as pessoas acabam utilizando no dia a dia. Tentamos traduzi-las sempre que possível.

Por fim, lembro que este artigo sofreu alguns adendos e alterações em 04/08/2023, devida a mudança da definição do Customer Lead Time pela Kanban University.

Onde estão as métricas de fluxo?

Nós separamos as métricas ao longo das três partes do fluxo de valor. Algumas estão presentes apenas em uma parte dele, outras são apresentadas em todo o fluxo e há ainda as que atravessam todo o fluxo.

É a imagem do rio anterior, porém ela está escurecida. Está destacado um fluxo de trabalho dividido em três partes. A primeira é o Upstream que tem as etapas Análise, Estudo de Viabilidade e Proposta de solução. Todos na cor amarela. Depois temos três etapas no Midstream pintadas na cor branca. São elas: Priorização, Construção e Avaliação. Por fim, na cor azul, temos duas etapas no Downstream: Entrega e Liberação.
Exemplo de mapeamento de um fluxo de trabalho

Métricas de Midstream e Downstream

A imagem abaixo apresenta algumas das métricas que podem ser obtidas no Midstream e Downstream.

Quadro de mapeamento do fluxo com as seguintes etapas. No Upstream: Piscina de opções (sem limitação e com ícone representando um backlog). Separada por uma linha tracejada. A seguir a etapa de análise com limite de dois itens e com duas colunas: analisando e analisado. Após, Priorização com limite de três itens e as colunas priorizando, priorizado. A linha que separa essas duas colunas marca o ponto de comprometimento. No Midstream temos: Construção, limitada a três itens com as colunas “Construindo” e “Construído”, após a avaliação limitada a quatro itens com as colunas “Avaliando” e “Avaliado”. Em seguida temos o Downstream com uma única etapa não limitada (sinal de infinito). Por fim temos o Entregue com uma bandeira quadriculada de chegada. A separação entre Entrega e Entregue é o ponto de entrega.
Visão geral das Métricas que estão no Midstream e Downstream

Downstream Lead Time (Tempo de Espera no Downstream) *

Tempo decorrido desde o momento em que nos comprometemos com um item (passou do ponto de comprometimento) de trabalho até a entrega para o cliente. Se você não mede nada no seu fluxo, essa é uma boa medida para começar. Ela define o seu time to market. Ela é a base do seu Acordo de Nível de Serviço (SLA – Service Level Agreement). É a métrica principal para gestão de expectativas do cliente e stakeholders. 

Dentro dela devem ser contabilizadas todas as dependências externas. Mesmo que você não tenha gestão sobre elas. Seu cliente não tem culpa da forma que sua empresa escolheu para se organizar.

Dado:

Downstream Lead Time = DLT

Data de Comprometimento = DC

Data de Entrega = DE

Para todo item de trabalho entregue = x

x: DLT = DE – DC

Há times que entregam itens em um dia ou menos e preferem utilizar:
x: DLT = DE – DC + 1
Fórmula de cálculo do Downstream Lead Time (DLT)

Essa adição de mais um evita cálculos de divisão por zero. Se você utiliza alguma ferramenta, verifique como ela contabiliza esse cálculo e se ela considera apenas dias úteis ou dias corridos. Lembre-se 30 dias úteis podem ser iguais a 48 dias corridos. Já 30 dias corridos podem ser apenas 18 dias úteis. Quando for dar prazos você tem que diferenciá-los.

A descrição do fluxo é a mesma da imagem inicial. Há um espaço de um post-it em priorizado (ponto de comprometimento). Dele sai uma seta para um post-it na etapa Entregue. Também há uma grande seta saindo do Ponto de Comprometimento até o Ponto de Entrega simbolizando o Customer Lead Time.
Quadro mapeando o Fluxo de Trabalho e onde está o Customer Lead Time (CLT)

Kanban System Lead Time (Tempo de Espera no Sistema Kanban)

É o tempo decorrido desde que nos comprometemos com o item de trabalho até o momento que ele chega a uma coluna que não possui Limitação do Trabalho em Progresso (WIP Limit, está mais abaixo no texto).

Essa falta de limitação do WIP pode ocorrer por diversos fatores: dependência externa não controlada; data fixa de lançamento de produto ou serviço; incapacidade técnica de entregar quando o item está pronto; exigência legal, etc.

Dado:

Kanban System Lead Time = KSLT

Data de Comprometimento = DC

Data que o item chegou na primeira coluna não limitada = DPCNL

Para todo item de trabalho que chegou na primeira coluna não limitada = x

x: KSLT= DE – DPCNL
Fórmula de cálculo do Kanban System Lead Time (KSLT)

As observações feitas para o Customer Lead Time também valem aqui sobre a adição de mais um dia e a diferenciação de dias úteis ou corridos.

A descrição do fluxo é a mesma da imagem inicial. Há um espaço de um post-it em priorizado (ponto de comprometimento). Dele sai uma seta para um post-it na etapa Entrega que não é limitada. Também há uma grande seta saindo do Ponto de Comprometimento até a primeira etapa não limitada (Entrega) que simboliza o Kanban System Lead Time.
Quadro mapeando o Fluxo de Trabalho e onde está o Kanban System Lead Time (KSLT)

Delivery Rate (Taxa de entrega, vulgo velocidade do time)

É a vazão do item quando ele sai da empresa e fica disponível para utilização do cliente. Sempre em função de uma unidade de tempo. Por exemplo, entregamos 10 itens por semana para o cliente. Ou ainda, atendemos 5 chamados por dia, entre outros.

Para quem utiliza o framework Scrum conhece essa métrica com o nome de velocidade (velocity). Não seria a nomenclatura mais correta porque velocidade é uma medida de distância sobre o tempo (km/h, m/s, mph, entre outras). Se você utiliza o Planning Poker para facilitar a discussão sobre a construção e entrega dos itens, é possível que a sua taxa de entrega seja dita como: “nosso time faz 50 pontos por Sprint” ou, “nossa velocidade é de 20 usp / Sprint” (usp é a abreviação de User Story Points, Pontos de História de Usuário na tradução livre).

Dado:

Taxa de Entrega = i entrega

Período (dia, semana, Sprint…) = período 

Itens de trabalho entregues no período = itep

i entrega = ∑(itep) / período
Fórmula de cálculo do Delivery Rate (Taxa de Entrega)

As observações feitas para o Customer Lead Time também valem aqui sobre a adição de mais um dia e a diferenciação de dias úteis ou corridos.

A descrição do fluxo é a mesma da imagem inicial. Não há mais setas, apenas um relógio temporizador no Ponto de Entrega representando a taxa de entrega. Na coluna entregue temos três itens entregues na semana um, dois itens entregues na semana dois, mais três itens entregues na semana três.
Quadro mapeando o Fluxo de Trabalho e onde é contada a taxa de entrega.

Remaining Days (Dias Restantes)

Imagine que a demanda X tem um prazo e ela deve estar pronta até o último dia do mês corrente. Isso pode ocorrer por vários motivos: Datas especiais de feriados e eventos, necessidade regulatória, ameaça do concorrente etc. Você poderá contabilizar o Remaining Days. Quantos dias faltam para você chegar até aquela data limite. Essa métrica é últil quando utilizada juntamente com o seu Downstream Lead Time.

Digamos que você olha o histórico do seu time e vê que na melhor das hipóteses você leva 10 dias para construir um determinado tipo de demanda. Você olha o Remaining Days e percebe que faltam 12 dias para a data limite. Logo, está na hora de você começar imediatamente a construir essa demanda, pois são grandes as chances de não conseguirmos concluir se esperarmos ainda mais.

Dado:

Prazo máximo para conclusão do item = P

Hoje (Dia corrente)

Remaining Days = P – Hoje
Fórmula de cálculo do Remaining Days (Dias Restantes)
A descrição do fluxo é a mesma da imagem inicial. Há um espaço de um post-it em priorizado (ponto de comprometimento). Dele sai uma seta para um post-it na etapa Entregue. Também há uma grande seta saindo do Ponto de Comprometimento até a Entregue. Na ponta direita da seta um calendário com um sinal de alerta.
Remaining Days (Dias Restantes) para a entrega de um determinado item de trabalho.

Abortion Rate (Taxa de itens abortados)

 Quantos itens passaram do ponto de comprometimento, nós começamos a trabalhar nele e eles foram jogados fora por algum motivo em um intervalo de tempo. Por exemplo, estamos abortando 2 itens por mês.

Essa métrica deve ser a mais baixa possível, pois após o ponto de comprometimento investimos na construção e entrega do item. Se descartarmos nessa etapa, estamos incorrendo em um custo afundado. Todavia, tenha cuidado! Se no midstream e downstream percebemos haver algum problema com o item e a entrega dele irá impactar negativamente o produto ou serviço, não podemos ter medo de abortá-lo.

O importante é levar para uma retrospectiva o questionamento sobre o motivo de estarmos fazendo essas descobertas tão tardiamente.

Dado:

Taxa de Itens Abortados = i abortion

Período (dia, semana, Sprint…) = período 

Itens de trabalho abortados no período = itap

i abortion = ∑(itap) / período
Fórmula de cálculo do Abortion Rate (Taxa de Itens Abortados)
A descrição do fluxo é a mesma da imagem inicial. Não há mais setas, apenas um relógio temporizador no Ponto de Entrega representando a taxa de entrega. Na coluna entregue temos três itens entregues na semana um, dois itens entregues na semana dois, mais três itens entregues na semana três.
Quadro mapeando o Fluxo de Trabalho e onde é contabilizada a Abortion Rate.

Neste artigo falamos sobre as métricas utilizadas nas fases de Midstream e Downstream. No próximo post falaremos sobre a Upstream.


Se interessou pelas Métricas Ágeis? A K21 tem uma série de treinamentos sobre o tema, que oferecem a preparação ideal para lidar com os desafios do presente e do futuro do mercado, bem como certificações internacionais de certificadoras oficiais para tornar o seu currículo mais competitivo. Confira todas as formações da K21

* Artigo modificado em 04/08/2023. 
Até abril de 2023, pela Kanban University, o Downstream Lead Time era o Customer Lead Time, porém houve uma alteração na definição desse. A Kanban University não definiu um novo nome para o antigo Customer Lead Time. Por enquanto, estamos chamando de Downstream Lead Time, mas esse não é um nome oficial.
Veja os porquês dessa mudança no artigo: O Customer Lead Time mudou! Veja aqui a nova definição

Sobre o autor(a)

Trainer na K21

Avelino Ferreira é formado e mestre em Ciência da Computação. Teve uma longa trajetória na TI, começando como programador e chegando a gestor de diversos times de criação de produtos digitais. Conheceu e começou a adotar as melhores prática de de Métodos Ágeis em 2008. Desde então, se dedica a auxiliar outras empresas na construção da cultura ágil. Atualmente, é Consultor e Trainer na K21

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…