Como a cultura ágil pode ajudar o perfeccionista

Acho que podemos definir, de uma forma geral, um perfeccionista quando uma pessoa se esforça para fazer algo extremamente bem-feito, uma pessoa que tem uma preocupação constante em realizar tudo com perfeição.

No livro “Never Good Enough: Freeing Yourself From the Chains of Perfectionism“, de Monica Ramirez Basco, nós somos apresentados a dois tipos de perfeccionistas: o introspectivo (que apresenta pouca autoestima e confiança, no mundo deles, qualquer erro cometido é terrível) e o extrovertido (que não apresenta baixa autoestima, mas não confia nas habilidades ou capacidades do restante do grupo de trabalho e exige deles o perfeccionismo cobrado a si mesmo).

Perfeccionismo – Padrões extremamente altos

Perfeccionismo é uma tendência de adoção de padrões extremamente altos, uma dificuldade em abandonar esses padrões e ter uma autocrítica elevada. Essa é a ideia que um perfeccionista tem, de que não pode errar; que deve ser a mais bonita, o mais inteligente, mais bem-sucedido; ter e seguir um alto padrão e sempre fazer absolutamente tudo certo para ser o melhor em tudo também.

Agora, quando entramos no mundo corporativo nos deparamos com cenário mais complicado, pois mesmo os não perfeccionistas acabam tendo que lidar com o perfeccionismo do Planejamento Anual… onde durante um mês os Astrônomos Nadamuda (referência ao Castelo de Mentiras, escrito por Rodrigo Toledo e Avelino Filho) se trancam em uma sala e milagrosamente conseguem prever com exatidão um cenário futuro de um ou mais anos, com a mais pura convicção de que nada mudará nos próximos meses!

Planejamento perfeccionista, mentira!

Depois desse devaneio dos “magos com caneta”, toda a organização tem que viver essa mentira durante um ano inteiro! Sim, mentira, o mundo está mudando tão rápido que a única certeza que tenho, é, que quando chegar a data da entrega do projeto ou no fechamento do ano, posso afirmar que este planejamento maravilhoso estará ERRADO.  

O desafio ao perfeccionista. Uma foto do Mike Tyson (pugilista) dando um soco e ao lado a frase: Todo mundo tem um plano até levar um soco na boca.
Máxima de Mike Tyson

Pois bem, partindo de um princípio simples, que feito é melhor que perfeito, já começamos indicar um caminho para a “cura” dos nossos perfeccionistas de plantão. 

Acreditamos que esmiuçar nos mínimos detalhes um planejamento faça um perfeccionista feliz! Então que tal planejar constantemente, mas só a fatia que realmente interessa naquele momento. Em um planejamento Ágil, segundo Rafael Sabbagh utilizamos apenas o nível de detalhes que podemos “enxergar”.

Para planejarmos um trabalho a ser realizado até o próximo dia, por exemplo, podemos utilizar um nível de detalhes bastante alto. Isso é, cada pequena tarefa a ser realizada. Para as próximas duas semanas – um ciclo de desenvolvimento, por exemplo – podemos utilizar um nível de detalhes ainda razoavelmente alto, porém menor do que para apenas um dia. Ao planejarmos uma entrega que acontecerá daqui a dois meses ou mesmo o ano inteiro de projeto, a quantidade de detalhes diminui quanto mais longe olhamos no tempo, de forma que pouquíssimos detalhes podem ser utilizados para planejarmos o que está mais distante. Em contrapartida, um planejamento tradicional geralmente busca descrever em detalhes o que será feito durante todo o projeto.

Sobre o autor(a)

Agile Expert e Trainer na K21

Andre Bocater Szeneszi é sócio na K21 e co-fundador da startup WBrain Agile People. Com uma longa trajetória empreendedora e também como HeadHunter, Andre é apaixonado por Pessoas e Cultura Ágil. Formou-se em Administração pela PUC-Rio e possui diversas especializações em Business, como: especialização em Finanças pela Pontifícia Universidad Católica de Buenos Aires, Gerenciamento Estratégico pela Universidad de Belgrano e Strategic Planning & Decision Making pela Berkeley. Atuou como professor da Pós-Administração da Fundação Getulio Vargas durante muitos anos e também ministra treinamentos de Cultura Ágil no Brasil, América Latina, Estados Unidos e Europa. É colunista da Revista Human em Portugal.

Artigos relacionados

Uma das principais habilidades que desenvolvemos enquanto consultores é a de fazer boas perguntas. Uma vez que as pessoas percebem o poder que tem uma boa pergunta, colocada ali na hora certa e que muda o destino de uma reunião,…

Há cerca de uma semana um estudo com um título bombástico tomou conta da web: “268% dos projetos que passaram a utilizar Métodos Ágeis pioraram e 56% passaram a falhar”, dizia o título. E ao ler o conteúdo, pareceu que…

A polêmica da semana é sobre o suspeitíssimo “estudo” afirmando que projetos com Agilidade teriam 268% mais chance de falhar.  Muito rapidamente os cavaleiros do apocalipse já se apropriaram do conteúdo para poder dizer que já sabiam! Claro que esse…

Oi time! Vamos conversar rapidinho sobre como podemos fazer nossas reuniões renderem mais sem deixar ninguém na corda bamba com a agenda lotada. Aqui vão algumas dicas pra gente manter o equilíbrio: A) Marcando as reuniões: 1) Checagem de Disponibilidade:…