Agile Marketing

Compartilhe:

Quem trabalha com Marketing sabe que há um grande esforço voltado para o planejamento anual. E quando falamos de planejamento de Marketing, talvez você pense naquele plano anual desenhado milimetricamente com todos os pontos definidos e imexíveis, certo? Daí surgem algumas perguntas.

O quanto é possível alterar orçamentos no meio do caminho, emplacar um novo projeto ou até mesmo descartá-lo? Seu time tem essa autonomia?

Quando o Marketing trabalha da forma tradicional, de fato, você está engessado, preso a algo que sequer é a realidade do mercado. Não pode mudar orçamentos, prazos, campanhas.

Enquanto isso, tem a vida como ela é: mercado mudando a todo momento e clientes interagindo a todo instante.

Em tempos de redes sociais, cada postagem gera diversas métricas e formas de acompanhar o desempenho e aceitação de determinado produto.

Se esse é o seu contexto, dizemos que você trabalha no modelo cascata. Você tem um plano com tudo detalhado, executa e, somente ao fim de um longo ciclo, parte para avaliar como foi todo o processo: o que deu certo e o que não foi tão bom assim.

Tsctsctsc.” Isso não parece estar muito aderente ao mundo em que vivemos, concorda?

Se você vive nesse mundo corrido, que exige respostas tão imediatas e com alta exigência de adaptação, por que justo o plano de Marketing deve permanecer intocável?

Principalmente no universo do Marketing, as demandas são quase que infinitas, surgem de todos os lados e sem nenhum indicativo de priorização.

Mas se levarmos em consideração que a capacidade de inovação no Marketing deve ser sempre em prol da experiência do cliente, o mercado exige que tenhamos a capacidade de sermos ágeis.

E quando digo isso, me refiro à capacidade de adaptabilidade, ou seja, capacidade de resposta ao mercado.

Ser ágil não é ser rápido. De nada adianta ser rápido, se não tenho a habilidade para responder de acordo com a necessidade do cenário em questão.

Planejamento é importante, sim

Ser ágil não significa abrir mão de um planejamento. Um time de Marketing ágil terá seu planejamento, sim.

Porém, esse planejamento será enxuto, compacto e com alto poder de adaptabilidade. Ele é “fatiado” em pequenos ciclos com entregas reais de valor.

Isso traz uma grande flexibilidade e maior poder de resposta.

Aprendizado e Melhoria Contínua

Temos então ciclosAgile Marketing 1 curtos que permitem aprendizado e melhoria contínua. Por meio de pequenos experimentos, validamos hipóteses em curto espaço de tempo, o que no modelo de Marketing tradicional é  inviável.

Errou? E agora? Vamos aprender com esse erro.

O mindset ágil cria uma cultura de experimentação e inovação através de pequenos experimentos e aprendizado rápido e validado.

Data-driven

Chega de decisões baseadas em “achismo”. As decisões são baseadas em dados com feedback do cliente mais rápido e de maneira constante. Os dados são uma poderosa fonte de conhecimento e aprendizado.

Manifesto de Agile Marketing

Manifesto do Agile Marketing é um documento criado por profissionais da área com base no Manifesto Ágil. Foi elaborado de maneira colaborativa em 2012, em São Francisco, Califórnia, na Sprint Zero.

Nele é possível conhecer os valores da abordagem ágil para o Marketing.

Com o objetivo de criar valor para os clientes e organizações, os sete valores listados abaixo ilustram de maneira clara o verdadeiro mindset ágil no mundo do Marketing.

  1. Aprendizagem validada ao invés de opiniões e convenções;
  2. Colaboração focada no cliente ao invés de silos e hierarquia;
  3. Campanhas adaptativas e interativas mais que campanhas Big-Bang;
  4. O processo de descoberta do cliente mais que a previsão estática;
  5. Planejamento flexível vs. rígido;
  6. Respondendo à mudança mais do que seguir um plano;
  7. Muitas pequenas experiências no lugar de grandes apostas.

Em tempos de business agility, o marketing precisa inovar e ter uma relação de engajamento com seus clientes. Isso propicia um relacionamento mais duradouro com a marca, e faz com que o Marketing deixe de ter apenas o foco na venda do produto.

E você, o que acha disso tudo? Ainda acredita que o Marketing tradicional dá conta do recado?

Sobre o autor(a)

Função não encontrada

Apaixonada por conteúdo! Jornalista, especializada em Marketing de Conteúdo e encantada por UX Writing e Growth Marketing. Tem 12 anos de experiências em comunicação, storytelling e conteúdo consistente para marcas e produtos. É Content Strategist na K21.

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…