Técnicas de facilitação para programação em par

Este post não tem tags.

Compartilhe:

Vira e mexe recebo um e-mail de alguém que experimentou fazer Programação em par e saiu frustrado ou acha que não está fazendo da melhor forma. Obviamente, não existe solução mágica para o problema e sempre é bom ter o contexto da equipe e do projeto para dar sugestões. Por isso deixo aqui sugestões que já ajudaram vários times por onde passei (mas que estão longe de ser receitas de bolo!).

O último e-mail que eu recebi sobre o assunto veio do Ayrton Araújo da FPF Tech e aproveitei para transformá-lo num post aqui no blog da K21!

Cuidado com o trabalho braçal!

Tendo contato com vários times uma coisa que se percebe é que praticamente todos têm alguns tipos de tarefas que são “braçais” demais para se fazer em dupla, exemplo:

– Queries SQL Ad-hoc para um usuário que pediu um dado em planilha, gráficos etc. (e que não são complexas de serem feitas)

– Instalação de máquinas ou deploy de uma nova release

– [Introduza aqui o trabalho braçal que você desejar :P]

Sempre é legal mapear com o time (olha a retrospectiva aí gente!!!) quais são esses tipos de tarefas para não interferir muito no pareamento como um todo.  É comum ver as pessoas falarem “Parear é chato” quando estão nesse tipo de tarefa braçal.

Então, para esses casos, já fica a dica antes de qualquer coisa:  Programação em par não precisa ser dogma religioso, use quando e para o que ela for produtiva!

Algumas técnicas que costumam funcionar bem

  • Técnica de pomodoro: boa para aplicar durante o trabalho em par, tem vários Apps legais para celular que ajudam a marcar o tempo. Gosto bastante dos ciclos de 25 minutos que o Pomodoro sugere pois dá um bom tempo de trabalho e obriga uns minutos de descanso (café, água, banheiro, e-mail pessoal etc.)
  • Dois teclados e dois mouses por dupla (se possível até dois monitores): Como a pessoa que está no teclado “manda” mais, o fato de termos dois teclados ajuda a inibir isso.
  • Comece com uma tarefa bem definida antes de se sentar: A tarefa deve ser algo que ambos julgam já ter entendido o que deve ser feito. Muitos pares gostam de discutir no quadro branco ou em um papel o que vão fazer antes de começar a trabalhar.
  • Começa no teclado quem conhece menos do assunto: isso garante que o novato fique motivado e por dentro do que está sendo feito.
  • Regra da balinha: se um dos dois pegar uma balinha pra chupar o outro também pega, pois, sabe como é… trabalhando perto às vezes o hálito atrapalha.
  • Reduza o tempo de revezamento: muitos não gostam do “engessamento de tempo” do Pomodoro e preferem experimentar revezar piloto e co-piloto em outros períodos de tempo por achar que o tempo sugerido pela técnica é muito curto. O perigo está aí! Acontece muito de times resolverem definir que uma dupla trabalhará por X dias em uma tarefa, mas ninguém se preocupa com o revezamento entre os dois. Qual a tendência? Tempos longos de revezamento, onde o “dominante” da dupla fica trabalhando enquanto o “menos dominante” fica de fora mexendo no celular, sai para uma água, fica com sono etc.
    Qual o intervalo ideal? Experimente e deixe a retrospectiva de time dizer qual foi o melhor. É sempre bom lembrar que não existe um tempo-padrão-ideal porque depende muito do contexto, projeto etc.
  • Co-piloto é quem manda: quem está no teclado não pode digitar nada se o “co-piloto” não disser para fazer ou concordar.

Exercitando a programação em par durante um Dojo

Para ajudar nesse último item, é legal fazer Coding DOJOs com o seu time, onde o Pair-Programming vai acontecer e você vai ver na prática como as pessoas estão pareando e pode ajudá-las a se comunicarem melhor. Siga o modelo que fazemos no treinamento de testes automatizados aqui da K21  (veja a imagem abaixo), afaste fisicamente ao máximo quem está no teclado de quem está co-pilotando. Isso fará que eles tenham que falar alto para se comunicar. Todos ouvem e ficam engajados no problema!

Coding Dojo K21
Coding Dojo no treinamento de testes automatizados da K21

Ah… e se você nunca fez, faça DOJOs com o seu time! É incrível como os Dojos bem facilitados e respeitando as regras são produtivos! Você verá a qualidade do trabalho em par no time melhorar consideravelmente!

Experimentação e Melhoria Contínua

Também aprendemos muito visitando outros times e vivenciando um pouco o trabalho deles. Num ambiente de experimentação e melhoria contínua, quase sempre há uma prática ou ideia diferente.

Curtiu? Conhece ou usa outras técnicas? Compartilhe seu comentário e experiência com a gente aqui no Blog.

Conheça nossos treinamentos

Sobre o autor(a)

Cofundador e Trainer na K21

Carlos Felippe Cardoso é cofundador da K21 e tem experiência em métodos ágeis desde 2004. Palestrante nos maiores eventos de agilidade do Brasil e da Europa, é instrutor do treinamento de CSD (Certified Scrum Developer), pela Scrum Alliance, e também instrutor oficial de Kanban (AKT – Accredited Kanban Trainer), pela Kanban University. Como Executivo, possui vasta experiência em Transformação Digital e Liderança, atuando especialmente no C-Level de empresas.

Artigos relacionados

Uma das principais habilidades que desenvolvemos enquanto consultores é a de fazer boas perguntas. Uma vez que as pessoas percebem o poder que tem uma boa pergunta, colocada ali na hora certa e que muda o destino de uma reunião,…

Há cerca de uma semana um estudo com um título bombástico tomou conta da web: “268% dos projetos que passaram a utilizar Métodos Ágeis pioraram e 56% passaram a falhar”, dizia o título. E ao ler o conteúdo, pareceu que…

A polêmica da semana é sobre o suspeitíssimo “estudo” afirmando que projetos com Agilidade teriam 268% mais chance de falhar.  Muito rapidamente os cavaleiros do apocalipse já se apropriaram do conteúdo para poder dizer que já sabiam! Claro que esse…

Oi time! Vamos conversar rapidinho sobre como podemos fazer nossas reuniões renderem mais sem deixar ninguém na corda bamba com a agenda lotada. Aqui vão algumas dicas pra gente manter o equilíbrio: A) Marcando as reuniões: 1) Checagem de Disponibilidade:…