Como ler um CFD – Padrões de disfunções

Este post não tem tags.

Compartilhe:

CFD (Cumulative Flow Diagram) é um gráfico muito importante no Kanban, ajudando a identificar gargalos no fluxo de uma forma visual. Este artigo foi escrito para leitores que já estão familiarizados com o gráfico.

exemplo de CFD

Apesar de ser bastante visual, é comum encontrar dificuldades na leitura do gráfico e até mesmo de reconhecer possíveis problemas no fluxo. Existem, porém, alguns padrões que surgem no gráfico. Observar estes padrões pode ajudar a tomar decisões de forma mais fácil e encontrar melhorias para o processo.

Saiba mais como identificar padrões (e evitar disfunções) no Cumulative Flow Diagram (CFD) aqui.

Vamos abordar algumas disfunções comuns e como identificá-las pelo desenho no diagrama.

Exemplos comuns de CFD

Waterfall

Em projetos waterfall, as atividades andam em blocos, avançando entre as fases apenas quando todas as atividades da fase atual foram concluídas.

Neste caso, o diagrama parece uma caixa de lápis coloridos, representado por faixas verticais.

  CFD - Waterfall

Baleia Penteada

Em times maduros que usam Kanban, o CFD costuma se apresentar como uma baleia com os cabelos longos, lisos e penteados.

  • Nesse tipo de gráfico, a última fase (fase de entrega) representa o corpo da baleia.
  • Os cabelos são as fases anteriores, que acompanham a curvatura da última.
  • As fases têm a mesma velocidade da fase de entrega, caracterizando um sistema puxado.
  • Quanto mais os cabelos da baleia estiverem colados ao corpo, menor é o WIP e o Lead Time.

exemplo de CFD: baleia

Exemplos de disfunção no CFD

Cachorro-quente

disfunção no CFD: cachorro-quente

Nesse exemplo, temos duas fases (primeira e última) com throughput semelhantes e constantes (linhas retas). Essas fases representam os pães do cachorro-quente. Entre elas, temos uma fase com throughput variável (transição entre azul e amarela) que representa a mostarda.

Essa variação mostra que existe trabalho acumulado na fase azul que, com a mesma frequência, é movido para a fase seguinte. O trabalho envolvido nesta transição aparenta ser rápido dada a sua inclinação aguda. Com isso, chegamos a conclusão de que o lead time é desnecessariamente alto.

Exemplo: acumular itens homologados para fazer deploy.

Boca de Jacaré

disfunção no cfd: boca de jacaré

Duas fases com as cadências muito discrepantes e a primeira sendo mais rápida. No desenho, representadas pela transição da vermelha para a azul e da amarela para a verde. A primeira transição é mais inclinada que a segunda, mostrando throughputs diferentes.

Assim, o CFD fica parecendo uma boca de jacaré aberta.

Podemos ver que a medida que o tempo passa, mais itens em progresso (WIP) são acumulados e mais tempo demora para um novo item atravessar o fluxo.

Exemplo: mais itens sendo desenvolvidos do que a capacidade de entrega em produção.

Gostou? Quer que a gente escreva mais sobre este assunto? Então, deixe sua sugestão nos comentários 😉

Confira mais conteúdos sobre Kanban aqui no blog e canal do youtube!

Quer saber mais sobre Kanban? Ouça nosso episódio sobre STATIK!

Sobre o autor(a)

Função não encontrada

Bacharel em física pela UFRJ, com mais de 10 anos de trabalho com desenvolvimento de software. Tornou-se Agile Coach em 2010. Criador de diversas dinâmicas de facilitação e referência na comunidade ágil.

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…