Atividade do Flight Levels: Visualizar a situação

Jose JR

Este post não tem tags.

Compartilhe:

Este é o segundo artigo de uma série sobre Flight Levels. Se você ainda não leu o primeiro, vale a pena acessar para saber mais sobre o que é Flight Levels e suas 5 atividades.

Como falamos no artigo anterior, Flight Levels tem cinco atividades essenciais que devem ser realizadas em todos os três níveis de vôo:

  • Visualize a situação
  • Crie foco
  • Estabeleça Interações Ágeis
  • Meça o progresso
  • Opere e melhore

Neste texto, vamos falar sobre a atividade Visualizar a situação.

Visualizar a situação não é…

Se você ouviu alguém falando que visualizar a situação é fazer um Assessment, essa pessoa se equivocou em uma dessas opções: o uso do termo assessment ou o que foi feito na atividade.

A tradução de assessment, segundo o dicionário Oxford, é “avaliação”. Segundo o dicionário Aurélio, o principal significado de Avaliação é “Ato ou efeito de avaliar(-se)”, onde o verbo Avaliar significa: “Determinar a valia ou o valor de; Fazer ideia de; Supor”.

Apesar desses significados, muitas pessoas confundem visualizar a situação com assessment. Visualizar a situação não é levantar hipótese, supor ideias e itens, e avaliar as pessoas e/ou processos.

Visualizar a situação é uma atividade de observação

Atividade do Flight Levels: Visualizar a situação 1

Sim, observação, assim como os ornitologistas que utilizam da técnica da observação com os pássaros para aprender como eles vivem, onde e como se comportam, como é a realidade deles, e documentam esses aprendizados.

Para realmente conseguirmos observar, precisamos, antes de mais nada, parar. Silenciar nosso julgamento e observar como as coisas realmente são, como nossa empresa funciona. Sem olhar os documentos, fluxogramas, livro de regras e organograma.

Precisamos focar em como realmente a empresa opera antes de reconstruir a estrutura organizacional.

Aquietar os pensamentos para não começar a trazer soluções para os “problemas” que você começa a ver. Esse será o seu principal desafio, pois nós temos a tendência de sempre julgar os comportamentos/processos dos outros.

De acordo Richard Bandler e John Grinder, quando observamos/lemos/ouvimos nós coletamos informações e as processamos de acordo com nossos filtros mentais.

Esses filtros são nossas experiências/metaprogramas, valores e crenças, gerando assim, os pensamentos, sentimentos e comportamentos.

Entender esse processo interno nos ajuda a controlar nosso julgamento no momento da observação. E ao contrário do ornitólogo que não consegue perguntar aos pássaros, nós podemos e devemos fazer perguntas para as pessoas. Sempre com o intuito de entender como são as coisas, deixando de lado nosso julgamento sobre a resposta.

Conseguiremos com isso visualizar a situação como ela é. Quando não julgamos como ela deveria ser, temos uma compreensão profunda de como a empresa verdadeiramente se operacionaliza.

Isso quer dizer como realmente a empresa opera!

Compreender isso e tangibilizar esse aprendizado é essencial para melhorar seu conhecimento, compreensão e discernimento. Assim, utilizar técnicas de visualização é uma prática mais do que recomendada, isto é, registrar de maneira visual os aprendizados de como a empresa é, e não o que ela deveria ser na sua opinião.

Dentro da Arquitetura de Sistema do Flight Levels (Flight Levels System Architecture) utilizamos a topologia para registrar o resultado desta observação. Isso nos ajuda a entender pontos essenciais, como e onde os Flight Levels estão e funcionam dentro da empresa.

Somente após isso é que, de maneira eficaz e eficiente, podemos criar o foco necessário de onde e o que na organização será necessário mudar. A topologia nos ajuda a entender verdadeiramente como a empresa opera e não como ela se organiza.

Quando compreendemos como a organização se operacionaliza temos uma maior clareza dos caminhos pelos quais nossos itens de trabalho fluem, as dependências, interdependências que ali existem e como as pessoas envolvidas verdadeiramente se comunicam.

Com isso, podemos tomar decisões mais estratégicas, e criar o foco necessário para buscar os resultados esperados!

Nos próximos artigos desta série especial, falaremos sobre as outras atividades do Flight Levels. Acompanhe!

Continue sua jornada de aprendizado em Flight Levels

Quer vivenciar de verdade o Flight Levels e aprender profundamente como criar a arquitetura e aplicar suas 5 atividades? Participe do treinamento Flight Levels System Architecture (FLSA)!

Também indico o episódio 5 do podcast da K21, onde eu, Lula e Marcos Garrido, outros dois experts no assunto, falamos sobre Flight Levels e Business Agility:

Sobre o autor(a)

Business and Cultural Change Specialist and Trainer

Jose JR é Business and Cultural Change Specialist na Nower e Trainer na K21, atua há mais de 2 décadas no Brasil e na Europa em ambientes e times multiculturais atuando diretamente na capacitação e na transformação digital de empresas nacionais e internacionais. Um dos mais experientes trainers (AKT – Accredited Kanban University Trainer) do método Kanban no Brasil e um dos 30 trainers mundiais de KMM (Kanban Maturity Model) e KCP (Kanban Coach Profissional) pela Kanban University, é pioneiro no conceito de Flight Levels no Brasil sendo um Flight Levels Guide(Trainer Oficial) e Flight Levels Coach pela Flight Levels Academy ajudando as empresas a alcançarem resultados de negócios através do Business Agility e já capacitou mais de 4800 alunos pelo mundo e atendeu mais de 250 empresas nacionais e internacionais. É escritor e tradutor oficial de livros disponibilizando materiais em português para comunidade Luso-Brasileira como Kanban Essencial Condensado de Andy Carmichael e David J. Anderson; O Guia Oficial do Método Kanban publicado pela Kanban University e junto com a Paula Viani é um dos tradutores do livro Repensando Agilidade de Klaus Leopold; Criador do canal Mundo Compartilhado fundado em 2017 e co-fundador da Comunidade Flight Club Global que é dedicado a compartilhar gratuitamente conhecimentos como Colaboração, Aprendizagem, Tecnologia, Startups, Inovação, Agilidade, Gestão, Transformação Digital, Lean, Desenvolvimento Pessoal , Gestão de Pessoas e Empreendedorismo.

Artigos relacionados

Após terminar de ler o livro Ruído de Daniel Kahneman, decidi reler alguns clássicos que não olhava há algum tempo. Dentre eles, Rápido e Devagar do mesmo autor e Pensando em Sistemas de Daniela Meadows. Não pude deixar de perceber…

O Guia do Scrum fala sobre o refinamento do Product Backlog: “O Product Backlog é refinado conforme necessário” (p. 9). Todavia ele não descreve exatamente o que é o refinamento. Uma reunião, uma atividade, um processo. Neste artigo vamos jogar…

Marcos Garrido, Sócio-fundador e Trainer na K21

Existem muitas formas de organizar as métricas de seu produto / empresa. Aqui neste blog já escrevemos sobre as Métricas do Pirata, Fit For Purpose (F4P) e Métricas nas Quatro Áreas de Domínio da Agilidade. Todavia, agora, queremos falar sobre…

Após alguns anos desenvolvendo produtos e ajudando outras empresas a fazer tal, gostaria de listar com vocês alguns erros comuns que percebi ao longo dessa jornada. Olhando para as 4 Áreas de Domínio da Agilidade (Negócio, Cultural, Organizacional e Técnica)…